terça-feira, 24 de março de 2015

CPI chega ao BNDES. Um titanic e tanto.



A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Petrobras aprovou há pouco a convocação do tesoureiro do PT, João Vaccari Neto, apontado por delatores da Operação Lava Jato como destinatário de propina de empresas contratadas pela Petrobras. Na segunda-feira (23), a Justiça Federal aceitou denúncia do Ministério Público Federal (MPF) contra Vaccari Neto, e contra o ex-diretor de Serviços da Petrobras Renato de Souza Duque. Ambos e mais 25 pessoas - também denunciadas pelo MPF - se tornaram réus sob a acusação de corrupção e lavagem de dinheiro.

A CPI também aprovou a convocação do BNDES, Luciano Coutinho (foto). Ele foi convocado para prestar esclarecimentos a respeito dos investimentos feitos pelo banco na empresa Setebrasil, criada em 2011 e contratada pela Petrobras especificamente para construir sondas de perfuração para exploração do petróleo do pré-sal. O ex-gerente da estatal, Pedro Barusco, foi reconvocado para dar mais explicações sobre a criação da empresa.

O BNDES financiou o projeto de criação da Setebrasil, que também contou com recursos dos fundos de pensão Petros, Previ (do Banco do Brasil), Valia (da Vale do Rio Doce), Funcef (da Caixa Econômica Federal), Petrobras e dos bancos BTG Pactual, Bradesco e Santander. Representantes dos fundos de pensão também foram convocados pela CPI.

SeteBrasil

A empresa Setebrasil foi criada em 2011 para executar 28 contratos de construção de sondas de perfuração do a Petrobras. Para isso, a empresa contratou estaleiros. Os contratos de operação entre a Setebrasil e a Petrobras eram de US$ 500 mil por dia de operação para as primeiras sete sondas e de US$ 530 mil para as outras 21. O total dos contratos é de US$ 22 bilhões.

Segundo os depoimentos de Pedro Barusco, a contratação da Setebrasil rendeu propina, distribuída da seguinte maneira: 2/3 iam para o tesoureiro do PT, João Vaccari Neto, e 1/3 para a “Casa” – ou seja, para os diretores da Setebrasil: o próprio Barusco, João Carlos de Medeiros Ferraz (presidente da Setebrasil) e Eduardo Musa (diretor de Participações).O pedido de convocação de Coutinho foi feito pelo deputado André Moura (PSC-SE), sub-relator de Irregularidades na operação da companhia Sete Brasil e na venda de ativos da Petrobras na África.

Segundo os depoimentos de Pedro Barusco à Justiça Federal, a propina destinada a Vaccari tinha origem nos contratos firmados entre a Setebrasil e os estaleiros Atlântico Sul, Enseada do Paraguaçu, Rio grande e Kepel Fels. A propina destinada à “Casa” tinha origem nos contratos firmados entre a Setebrasil e os estaleiros Kepel Fels e Jurong.

Ele também informou os nomes dos operadores financeiros de cada estaleiro: Ildefonso Colares (Atlântico Sul), Zwi Zcorniky (Kepel Fels), Guilherme Esteves de Jesus (Jurong), Rogério Araújo (Enseada do Paraguaçu, bem como representava a Odebrecht no consórcio com a UTC, OAS e Kawasaki) e Milton Pascovich (Rio Grande). Todos os diretores da Setebrasil também foram convocados a depor. Não há datas ainda para os depoimentos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário