sexta-feira, 27 de fevereiro de 2015

Socorro Pimentel sem espaço para se firmar. O esposo ainda não conseguiu largar a função que agora é dela.


A médica Socorro Pimentel é de longe mais carismática que o esposo, Dr. Raimundo. É a preferida da militância local para disputar a prefeitura, seja em 2016, seja em 2018, caso a reforma política em curso estique o mandato de Alexandre Arraes e demais prefeitos por mais dois anos. Contudo, a deputada, embora muito mais votada que o marido em Araripina, ainda não conseguiu se desvincular deste no campo da visibilidade. Ele está ainda muito mais presente do que ela em tudo. Nas rádios, nas reuniões, nas discussões. Necessariamente não está sendo obedecido nas 'diretrizes gerais' pelos aliados, que preferem ouvir e seguir a quem agora detém mandato e apresenta mais ouvido às queixas. Mas Raimundo já disse em entrevista que vai percorrer as cidades da região para articular. Nem segredo pediu. Falou em entrevista de rádio, aos quatro cantos.
O mal estar está instalado, pelo menos na visão de muitos, e de alguns em particular. Se houvesse booling político, seria o caso de tipificar. A nova deputada não consegue, se é que tenta, aparecer como a nova protagonista da oposição em Araripina e na região. Simplesmente o esposo chega antes e ocupa os espaços como se o deputado ainda fosse. Se trata de um casal muito unido, e disso ninguém duvida. Mas em política não existe mandato compartilhado. Quando alguém tenta ser  e fazer o que cabe ao titular, logo se verifica a submissão e demonstrações falsas ou verdadeiras de fragilidade ou indecisão.
Os dois episódios mais recentes não deixam dúvidas. Aconteceu uma reunião em Brasília dos gesseiros com alguns representantes políticos. Lá Dra. Socorro não teve espaço para se destacar, embora a vitrine fosse excelente. Hoje, sexta-feira, a Rádio Grande Serra se escancarou novamente para a deputada. Mas também não houve oportunidade da médica se destacar como parlamentar representante da região. O esposo ocupou o espaço, assumiu o protagonismo e não deixou novidades nem assuntos de baú a serem tratados pela mesma. Embora não seja comum faltar assunto em suas entrevistas, ficou a impressão de que não estava à vontade para reprisar os temas abordados pelo esposo. Falou por falar, lá no seu interior.
'É só o começo, ele vai desencarnar do mandato e deixar a esposa protagonizar e se firmar',  disse esperançoso um atento observador da cena política do momento. Não resta dúvidas de que Socorro Pimentel, uma esposa exemplar, jamais passará recibo sobre o fato, e até poderá negar, se consultada. Mas não há o que e como esconder do distinto público.
Conta ainda contra a deputada o fato de ser oposição e levar consigo uma marca registrada do marido: a infidelidade política. Raimundo Pimentel foi governo e eduardista até a última hora. Nomeou pessoas de confiança para cargos estratégicos. De repente, no apagar das luzes, crente de que Armando Monteiro seria eleito governador, mudou outra vez de barco, tirando agora da médica a chance de se firmar na região ao lado de um governo novo e forte. Ou seja, além de está na oposição e por isso privada de mostrar resultados práticos na vida das pessoas, não está conseguindo aparecer como a liderança de oposição, pois o esposo chega sempre antes e aborda os temas sem deixar novidades a tratar.


VITIMIZAÇÃO
Raimundo Pimentel continua utilizando a velha tática da vitimização. Agora acusa o Hospital Santa Maria de impedi-lo de fazer atendimentos a pacientes previamente agendados. Logo o Hospital Santa Maria, a plataforma que sempre usou em Araripina para se projetar na política. Pimentel quer para si um privilégio que ele com seu ex-correligionário tiraram dos demais médicos e de pacientes de Araripina, quando via consórcio regional assinaram (prefeitos) famigerado acordo para centralizar no Hospital Regional de Ouricuri os procedimentos que agora ele reclama faltar em Araripina. O problema do Hospital Santa Maria certamente será solucionado pelo Governador Paulo Câmara. Gente de vários tendências e segmentos lutaram por isso. Este blog mesmo faz campanha permanente em favor do Hospital, mas não há como negar que o prefeito da cidade, Alexandre Arraes, que também é presidente do Consórcio Regional, já tratou de encaminhar a solução junto ao Governador Paulo Câmara, que vem a Araripina anunciar agora em março.
É lastimável acompanhar nos dias de hoje um médico que foi doze anos deputado acusar deficiência naquilo que nunca corrigiu com a força de seu longevo mandato. Mais triste ainda é ver Araripina amanhecer com cenas ultrapassadas de uma velha política que nem mesmo Renan Calheiros quer mais praticá-la em Alagoas, a terra natal de Pimentel.

Nenhum comentário:

Postar um comentário