sexta-feira, 24 de outubro de 2014

BOICOTE A PERNAMBUCO: Transnordestina não vai chegar a Suape enquanto não chegar ao porto do Ceará.



Foto: Bobby Fabisak/JC Imagem
Transnordestina vai chegar a Pecém, no Ceará, antes de Suape

A ferrovia Transnordestina, um projeto acalentado pelos pernambucanos desde os tempos do Império, está seguindo para o porto de Pecém, no Ceará. A proposta desenhada no governo Lula era de uma estrada de ferro de três cabeças, nascendo em Eliseu Martins (PI), derivando, em Salgueiro (PE), para Suape (PE) e Pecém (CE). Mas o governo federal optou por fazer logo o sentido Norte e, esta semana, deu as ordens de serviço nos trechos que levam ao litoral do Ceará.

Isso não quer dizer que Suape pode não receber a estrada. Mas enquanto o governo cearense assegura acesso ao terminal marítimo por decisão própria, Suape depende de autorização da Secretaria Especial dos Portos, em Brasília, que sequer analisou a proposta. Suape projeta a ferrovia servindo a um terminal de granéis sólidos e a outro de minérios, na ilha de Cocaia.

As ordens de serviço foram dadas pela ministra do Planejamento, Miriam Belchior, na última terça-feira, em Fortaleza, na presença do governador Cid Gomes, para os trechos entre Missão Velha e Acopiara, num total de 150 quilômetros. Na prática, isso quer dizer que enquanto no sentido Suape (522 km) só existe a terraplanagem, no sentido de Pecém, além do trecho Salgueiro-Missão Velha (CE), existem agora mais dois até Acopiara em obras firmes.

O terceiro Salgueiro-Eliseu Martins tem metade da ferrovia concluída. No Ceará, a Transnordestina só precisa de mais dois trechos (Piquet Carneiro-Quixadá (179,2 km) e Itapiúna-Porto do Pecém (164,3 km)), totalizando 343,3 quilômetros.

Ferrovia de três cabeças

O projeto da Transnordestina prevê 1.728 quilômetros de ferrovia em bitola métrica e de 1,6 m, beneficiando 81 municípios no Piauí (19), Ceará (28) e Pernambuco (34). Na teoria, a ferrovia ligaria o terminal ferroviário de Eliseu Martins (PI) aos terminais portuários de Suape (PE) e Pecém (CE). Mas desde o começo ficou claro que aonde o trem chegar primeiro, a ferrovia se viabiliza globalmente.

Opção Suape

Até a aprovação da MP 595, que virou a Lei nº 12.815, Suape parecia a opção mais viável, pelo potencial de negócios já agregado ao terminal. De granéis líquidos ao complexo industrial, ainda que o único trecho pronto fosse entre Salgueiro e Missão Velha.

Opção Pecém

As dificuldades começaram quando a nova lei tirou de Suape o poder de negociar seus projetos portuários sozinho e subordinando-os à SEP, entregue ao grupo político da família Gomes, do Ceará. A SEP não conseguiu analisar nenhum projeto de Suape.

Nenhum comentário:

Postar um comentário