quarta-feira, 30 de outubro de 2013

CANAL DO SERTÃO: O ARARIPE QUASE FORA DO EIXO DAS ÁGUAS.

PROJETO DA ERA JARBAS VASCONCELOS ESTÁ SENDO ALTERADO, DEIXANDO RGIÃO DE FORA. BAHIA ESTÁ FICANDO COM QUASE TODA QUOTA RESTANTE DE ÁGUA PARA IRRIGAÇÃO.

O Projeto Canal do Sertão, que irriga água do São Francisco para o Araripe, tão sonhado pelo ex-deputado Osvaldo Coelho, passa hoje por uma reestruturação que exclui oito cidades da região: Araripina, Trindade, Ipubi, Ouricuri, Bodocó, Exu, Granito e Moreilândia.

O projeto inicial beneficiaria cerca de 110 mil hectares de terras irrigáveis no Araripe. A licitação atual, no Edital 63/2013, consta apenas 5,3 mil hectares a serem divididos para os municípios de Santa Cruz, Santa Filomena e Dormentes.

Amanhã (31), às 19h30, no Salão Paroquial, haverá uma reunião com representações políticas, associações, sindicatos e sociedade civil que discutirá o projeto com o técnico da Codevasf e secretário da Prefeitura de Petrolina, Octávio Alves, que vem fazer uma explanação da proposta para o entendimento da sociedade.

O vice-prefeito de Petrolina, Guilherme Coelho (PSDB), também confirmou a presença. Após esta reunião, o Araripe fará grande mobilização exigindo respeito e o Canal do Sertão beneficiando esta região tão castigada pela seca.

É importante salientar que a terra irrigável do município de Petrolina, no valor de 25 mil hectares, foi mantida integralmente no novo trajeto. O município de Ouricuri tinha antes revisto 45 mil hectares no projeto original e Bodocó quase 9 mil hectares.

Talvez, o que se concretiza hoje, é a realidade de que o Sertão não tem representação e força política. Um projeto como este, que está a quase 15 anos esperando a sua realização, hoje é modificado, prejudicando e eliminando o sonho do sertanejo, sem sequer um representante do Araripe lutar por ele. É uma vergonha!

As melhores terras para produção que o Canal do Sertão beneficiaria são exatamente as terras do Araripe. O projeto ainda contribuiria para o desenvolvimento da região através da agricultura irrigada, dentro da sustentabilidade ambiental, elevar a produção e a produtividade das safras agrícolas, gerando renda, aumento da oferta de alimentos e propiciando a abertura de empregos diretos e indiretos, que podem chegar a 100 mil.

Tudo isso, agora é desmoronado por interesses políticos exclusos.

Lusimar Lima.”

Nenhum comentário:

Postar um comentário