quinta-feira, 29 de agosto de 2013

A RICA começa a nascer


Araripina nos anos 60 - Imagem para  simbolizar o presente  e o futuro depois que a RICA for posta em prática.

O Senado aprovou, na noite desta terça-feira (27.08), por unanimidade, projeto de lei de autoria do senador Inácio Arruda autorizando o Poder Executivo a criar a Região Integrada de Desenvolvimento do Cariri-Araripe (RICA), com o objetivo de articular e harmonizar as ações administrativas da União e dos Estados do Ceará, Piauí, Pernambuco e Paraíba. Agora o projeto irá à apreciação da Câmara Federal.

Consideram-se de interesse comum da Região Integrada de Desenvolvimento do Cariri-Araripe as ações da União e dos Estados do Ceará, Pernambuco, Piauí e Paraíba, voltadas para o desenvolvimento econômico sustentável, a conservação do equilíbrio socioambiental, a geração de emprego e renda e a implantação de infraestrutura.

Comemorando a decisão, o senador Inácio lembrou que a RICA abrange uma área de 45.901,4 km2 e, em 2007, abrigava uma população de 1.546.707 habitantes, incluindo-se aí os municípios integrantes da Área de Preservação Ambiental (APA) do Araripe. “É oportuno salientar que pesquisas e estudos geológicos em curso apontam para a possibilidade da existência de petróleo na Bacia Sedimentar do Araripe, englobando municípios do Cariri Cearense, de Pernambuco, do Piauí e da Paraíba. A confirmação da presença do petróleo na região poderá representar forte impacto no processo de desenvolvimento”, lembrou.

Segundo o parlamentar, “a existência de uma política local de desenvolvimento econômico e social deverá permitir que setores carentes tenham acesso a instrumentos adequados para as mudanças estruturais necessárias. Para que isso ocorra, é necessário coordenar programas, projetos e políticas públicas, o que será possível com a implantação da Região Integrada de Desenvolvimento do Cariri-Araripe”.

A RICA é constituída pelos municípios de Abaiara, Altaneira, Antonina do Norte, Araripe, Assaré, Aurora, Baixio, Barbalha, Barro, Brejo Santo, Campos Sales, Caririaçu, Cedro, Crato, Farias Brito, Granjeiro, Ipaumirim, Jardim, Jati, Juazeiro do Norte, Lavras da Mangabeira, Mauriti, Milagres, Missão Velha, Nova Olinda, Penaforte, Porteiras, Potengi, Salitre, Santana do Cariri, Tarrafas, Umari, Várzea Alegre, no Ceará; Araripina, Bodocó, Cedro, Exu, Granito, Ipubi, Moreilândia, Ouricuri, Santa Cruz, Santa Filomena, Serrita, Trindade, em Pernambuco; Acauã, Alegrete, Belém do Piauí, Betânia do Piauí, Caldeirão Grande, Campo Grande, Caridade do Piauí, Curral Novo, Francisco Macedo, Fronteiras, Marcolândia, Padre Marcos, Paulistana, Pio IX, São Julião, Simões, Vila Nova, no Estado do Piauí; Bom Jesus, Bonito de Santa Fé, Cachoeira dos Índios, Cajazeiras, Conceição, Guarabira, Monte Horebe, Santa Inês, São José de Piranhas, na Paraíba.

sábado, 24 de agosto de 2013

Bringel não será candidato a deputado federal nem sairá do PSDB para entrar no PSB.


Muito se especulou acerca do futuro político de Bringel. O ex-prefeito de Araripina (1997-2004) e ex-deputado, que é filiado ao PSDB, provavelmente sondado para disputa de federal, escolheu o caminho mais cômodo para percorrer em 2014. O tucano não será candidato a deputado federal pelo grupo que governa Araripina. A escolha é pessoal -  embora este blog só tenha tomado conhecimento do convite  a Bringel através de especulações da imprensa.
O editor do Meu Araripe encontrou o ex-prefeito casualmente e fez as duas perguntas capitais: "Sai mesmo candidato a deputado federal?" "Vai mesmo para o PSB?". A primeira pergunta Bringel respondeu com um sonoro 'tenho juízo", acrescentando que só recebeu de concreto uma sinalização de apoio fora da sua base, precisamente em Igarassu, no que nem acredita. À pergunta se troca o PSDB pelo PSB mereceu a seguinte resposta: "Nunca falei em sair do PSDB. De jeito nenhum".
Fiz então uma terceira pergunta: "E candidato a deputado estadual, você será?". Resposta: "Pode ser. Aí eu topo. Se eu for candidato do grupo eu topo".
Dispensável dizer que Bringel não é bobo. Sendo candidato do grupo, até quem teve apenas 500 votos para vereador topa. Mas a questão é outra. O 'grupo' enquanto GRUPO só resolverá 2014 resolvendo 2016. Bringel sabe disso e justamente por isso não aceita tirar o pé do ninho tucano para colocar no ninho socialista. Seria  'dormir' com os olhos dos outros, raciocinou ele.
Resolver 2014 significa decidir a chapa majoritária. Os pré-candidatos a prefeito, todos já conhecem. E o que não falta é candidato a vice, candidato a presidente da câmara e candidato a secretário das pastas que têm dinheiro, como educação e saúde. O que está em falta é gente besta nesse lugar. 
Pelo visto, vai ser preciso resgatar aquela velha brincadeira do 'garrafão'. Mas é preciso reconhecer que na política, diferente do 'garrafão', quem tem menos peso ou mais saúde nem sempre 'pula fora '  primeiro.
2016: "Tá valendo!"
Todos os políticos de Araripina andam muito enigmáticos.

NOMES
Quase tudo em Pernambuco está girando em torno de Eduardo Campos quando o assunto é eleição vindoura, ou eleições vindouras, já que uma amarra a outra. Cada 'bem informado' tem a sua versão. Se ouve muito que o neto de Arraes será candidato a presidente; também se ouve que será candidato a vice numa pretendida chapa encabeçada por Lula; que será candidato a senador e até que será puxador de votos numa chapa de deputado federal. Menos se ouve que Eduardo Campos cumprirá seu mandato e arriscará ser chamado para compor um ministério, o que é pouco provável.
Uma coisa que se fala muito, e que rende como arroz salgado em casa de hipertenso é o 'espólio eleitoral' de Ana Arraes, nome fictício usado pelos eduardistas para esconder a sonoridade concreta de 'força da caneta'.
Considerem as duas extremidades. Levem em conta que Eduardo será candidato a presidente e cederá muito para se compor, inclusive com Armando Monteiro na cabeça. Neste caso, ele escolherá somente uns cinco preferidos para eleger deputado federal. E elegerá. O resto terá que se virar. Alexandre Arraes indicaria alguém para ser um dos cinco merecidos? Não é impossível mas é pouco provável. Se isto chegar a acontecer, certamente a situação da prefeitura de Araripina em 2016 e uma vaga de deputado estadual em 2014 também serão resolvidas na esfera governista. Araripina tem essa importância política toda? Talvez não. Mas Alexandre Arraes pode ter, assim como José Ramos tinha junto a Marco Maciel quando se tornou governador de Pernambuco. Levem em conta aquele velho ditado: "Um raio não cai no mesmo lugar duas vezes". Agora levem em conta as estatísticas: Cai sim, e no Brasil, mais ainda.
O outro extremo é o de Eduardo Campos optar pelo caminho cômodo de sair candidato ao senado e lançar seu sucessor apoiando a reeleição de Dilma ou volta de Lula, ou mesmo sendo vice de um deles, impondo os nomes que bem entender na disputa de Pernambuco. Neste caso, não há o que duvidar. Se o 'primo de Alexandre' não colocar Araripina na lista de cinco estando em campanha nacional, certamente colocará na lista de dez estando folgado e correndo solto em Pernambuco. Fará o que bem entender, inclusive um deputado federal da sua confiança em Araripina e os deputados estaduais que achar mais conveniente.
Bringel pensou nisso. Certamente pensou, tanto é que encerrou sua conversa com este blogueiro afirmando que PSB e PSDB vão se coligar em Pernambuco. Segundo o tucano, tanto fará está no PSB quanto no PSDB. Matematicamente sim. Mas só matematicamente. No coração do 'galego' só estarão os socialistas. A menos que ele precise de muitos votos de Pernambuco para chegar ao segundo turno na eleição de presidente da República. Bringel também sabe disso e poderá fazer de conta que nunca disse nem leu o que acabo de postar.
Sem embromação, os nomes. Para deputado federal: Alexandre Arraes, Roberta Bertino, Valmir Filho, Ricardo Arraes. Para  deputado estadual: Troquem Alexandre por Bringel e mantenham o resto da lista.
E Nunes Rafael? Nunes é ligado a Armando Monteiro, o único adversário que Eduardo Campos sabe que já tem caso não o escolha como candidato da Frente Popular.  E Raimundo Pimentel? Este planejou sua campanha de reeleição a deputado estadual bem antes e já colocou os pós no terreno que Lula Sampaio ocupou em Araripina. Por enquanto, tudo que deseja é que Lula tire ainda mais os pés da oposição para se firmar nela definitivamente. Também levem em conta que dez em cada dez lideranças do grupo que governa Araripina não querem saber de aliança com Raimundo Pimentel, menos ainda para doar-lhe uma cadeira no Planalto Central. 

PAPEL

Fala-se muito na 'morte' do impresso em papel. Por ter sido editor/diretor de jornal por quase uma década, fico torcendo para que a mídia virtual não atropele a mídia impressa. Venho acompanhando os movimentos de cada uma e torço pelas duas. Esta aqui é mais ágil, barata, limpa, ecológica e também democrática. Mas ao mesmo tempo é impiedosa com os bons autores ou bons jornalistas que precisam de remuneração para realizarem trabalhos de oitiva, investigação e escrita. Antes mesmo de serem remunerados e até reconhecidos pelo que fazem e escrevem, são logo copiados e 'compartilhados', sem ao menos receberem o crédito nas inúmeras postagens. Talvez por isso a mídia impressa possa escapar e voltar forte, com mais qualidade e mais independência, dependendo tão somente de duas coisas: do talento de quem escreve e da assinatura remunerada de leitores conscientes que sabem a importância de um bom jornalismo.

O NOSSO IMPRESSO
Venho sendo estimulado a fazer novamente um jornal impresso, aos moldes do Voz do Sertão. Reconheço que as condições são boas, que o tempo é favorável. Já fiz as contas. Faltou uma coisa: tempo. E outra coisa: paciência para ouvir as fontes. Antes elas eram mais puras e verdadeiras.
Mas uma coisa é preciso reconhecer: O Araripe precisa mesmo de um jornal escrito com dimensão para alcançar a capital da  província e a capital federal.
Quando  afirmo que falta tempo para ouvir as fontes quero dizer que é preciso percorrer cada município da região para poder afirmar que o impresso é regional. Já fiz isso e sei o quanto é cansativo e caro. Um homem nunca substitui uma equipe, e equipe é o que sempre falta. Só não falta equipe na hora de dividir o pouco lucro. Talvez seja por isso que os impressos sofrem.
Fiquei sabendo que uma equipe se montou em torno da ideia de um jornal regional. Basicamente ela é composta de um homem que escreve, um homem com dinheiro e outro homem que sabe vender páginas. Há aí um sinal claro de que muita coisa boa vai dar certo e de que o impresso prevalece.
O Jornal Voz do Sertão começou como equipe e logo se transformou em coisa de um homem só. Quando o homem só abriu milhares de olhos e incomodou, logo foi emparedado e virou homem 'medroso', Por isso, o jornal deixou de existir justamente quando dava um bom lucro e era muito respeitado.
Digo isto para deixar claro que a independência embute um alto custo pessoal. Deve isto servir de base para reflexão dos incentivadores. Não basta chegar com a engenharia financeira pronta e bem detalhada. É preciso chegar com boas notícias, boas causas e sobretudo independência para futucar feridas crônicas.
Se já tenho uma resposta para dar aos incentivadores esta é: "Quem tem prazo não tem pressa!".
Bom final de semana.

Quase um mês


Foi o bastante. Mais de um mês seria uma eternidade, tempo além da conta para qualquer processo de 'desintoxicação'.
Reparem que a última postagem se deu em 3 de agosto. De lá para cá, nada postei. Apenas continuei lendo (seletivamente) as opiniões com cara - pois no Brasil não há notícia e sim fábrica de opinião para massas sem discernimento. As opiniões sem cara política deixei de lado. O motivo é obvio: são todas compradas pelo partido que governa e só interessam ao sistema, ou esquema.
Quase um mês foi o tempo que eu fiquei sem opinar, sem falar, sem criticar (positiva ou negativamente) aqui. Também foi o tempo em que nada aconteceu. O Dólar subiu, mas nesse mesmo período caiu, pois o governo provou que é fraco e cedeu à ganância dos especuladores, dando a ração deles, e mais do que isso, afirmando oficialmente que tem dinheiro para continuar pagando a bolsa doleiro. Podem me contraditar afirmando que Dilma também subiu. É claro que iria 'subir'. Aliás, é preciso que suba. Este é o movimento que interessa a oposição. Do contrário, o ex-presidente Lula, mesmo enfurnado, continua mandando na opinião pública e realizando sua própria vontade, que é pautar a imprensa, manobrar os sindicatos e as massas, os movimentos encapuzados, desmantelar o governo Dilma para em 2014 voltar. A possibilidade é muito concreta. Caso Dilma volte a 'cair' para onde de fato está, Lula será chamado pela base e pode até escalar o vice dos sonhos, que ele sabe muito bem onde mora.

ESCRAVOS DE BRANCO
Quem acha que o Brasil não mudou para continuar exatamente como está não gosta de combinar palavras com fatos. Claro que mudou para adormecer. Antes o País importava escravos pretos, sem roupa, ou quase nus. Hoje importa escravos de branco, não importando a cor da pele. Antes, o 'salário' dos escravos era deles, em forma de comida. Hoje, o salário é bem maior, maior até que os maiores salários pagos no País, pelo famigerado SUS. Mas tem outra diferença: o salário dos escravos de branco vai para o dono deles, que mora em Cuba. O chefão cubano, por muitos anos, financiou essa gente que hoje governa. Mandava dinheiro para que guerrilheiros como dona Dilna lutassem para trocar uma ditadura 'verde oliva' pela ditadura vermelha que impera em Cuba até hoje. Está recebendo de volta o que mandou e, de quebra, está se livrando de escravos de branco exigentes e recebendo do Brasil o salário que eles exigem lá mas não ganham. Em tempo: os médicos que estão vindo para o Brasil são da escola daqueles que mataram Hugo Chaves. Avaliem se isso é presta.
O PT gastou doze anos do Brasil e nem médicos de sua linhagem política conseguiu formar. Preferiu importar guerrilheiros treinados em outra língua. Vai ver que não acreditam na fibra dos brasileiros. Mas nem assim o PT vai nos convencer de que o Brasil é uma bosta.
Resumo: Eu deveria continuar calado. É impossível desintoxicar lendo ou escrevendo.

sábado, 3 de agosto de 2013

SAÚDE: Prefeito garante que UPA 24 Horas está perto de começar

A Prefeitura de Araripina recebeu na tarde de ontem (02) do Ministério da Saúde o projeto arquitetônico da UPA 24hs que será construído na cidade. O recebimento do projeto acontece na mesma semana em que o Governo de Pernambuco divulgou a doação do terreno ao município para a construção da Unidade de Pronto Atendimento 24hs.

A UPA será construída no terreno ao lado do Hotel Pousada do Araripe às margens da BR 316. O local foi visitado pelo prefeito Alexandre Arraes
logo após a passagem do Governador Eduardo Campos no início desta semana quando confirmou a doação do terreno para o município construir o equipamento de saúde.

De acordo com Alexandre Arraes a construção da UPA 24hs será fundamental para desafogar o atendimento do Hospital e Maternidade Santa Maria e também melhorar a qualidade das urgências e emergências na cidade. Ele destacou o seu desejo de iniciar a construção o mais breve possível.

“Esta semana avançamos passos importantes na construção da UPA com a generosidade do Governador Eduardo Campos em fazer a doação do terreno e também com a chegada do projeto arquitetônico. Nosso desejo é iniciar as obras nos próximos trinta dias e vamos trabalhar para isto acontecer”, afirmou.

ASCOM-PMA.