sábado, 31 de março de 2012

Herdeiros-sucessores do terrorista: Bin Laden viveu em 5 casas e teve 4 filhos no Paquistão, diz viúva

Estadão.com.br

Osama bin Laden passou nove anos fugindo no Paquistão após os atentados de 11 de setembro de 2001 e durante esse período viveu em cinco casas protegidas, tornou-se pai de quatro filhos e pelo menos dois deles nasceram em hospitais públicos. Foi o que disse sua mulher mais jovem, Amal Ahmad Abdul Fateh, de 30 anos, à Justiça paquistanesa.
Em seu depoimento, ela disse ter concordado em se unir a Bin Laden, em 2000, pois "desejava se casar com um mujahedin". Ela foi de avião do Iêmen para Karachi em julho daquele ano e meses depois cruzou a fronteira do Afeganistão para se juntar a Bin Laden e a duas outras mulheres, em sua base em Kandahar.
Os atentados de 11 de Setembro destroçaram a família. Ela retornou a Karachi, onde permaneceu durante nove meses, com a filha recém-nascida. Depois, eles mudaram de casa sete vezes e os contratos de aluguel eram firmados por intermediários, "algumas famílias paquistanesas e o filho mais velho do líder da Al-Qaeda, Saad".
Amal Fateh disse que deixou Karachi no segundo semestre de 2002 e foi para Peshawar, capital da Província de Khyber Paktunkhwa, onde se juntou ao marido. Com a perseguição a Bin Laden por parte dos americanos mais intensa, o terrorista levou a família para uma região montanhosa na zona rural a noroeste do Paquistão e não para as áreas tribais, onde a atenção ocidental estava concentrada. Ali, residiram em duas casas diferentes durante cerca de nove meses.
Leia mais em Bin Laden viveu em 5 casas e teve 4 filhos no Paquistão, diz viúva

Autosuficiencia de mentirinha: Importação de gasolina aumenta 33% e bate recorde

Depois de importar o álcool que prometia exportar, Brasil compra de fora 1/3 do que consome de


O diretor de Abastecimento da Petrobras, Paulo Roberto Costa, disse nesta sexta-feira que em 2012 as importações de gasolina deverão chegar a 80 mil barris diários, o que representará um aumento de 33% em comparação em relação ao ano passado e um volume recorde de importação do combustível.
Segundo o diretor, a demanda de gasolina registrou um aumento da ordem de 34% nos dois primeiros meses do ano, em comparação ao mesmo período do ano passado.
Já em 2011, as importações haviam ficado em cerca de 60 mil barris diários, volume que já representava um salto em comparação a média de nove mil barris diários que importados em 2010, ano em que o país voltou a ser dependente de importações desse combustível, após várias décadas de autossuficiência.
As refinarias da Petrobras já estão trabalhando a plena capacidade, sem condições de aumentar significativamente a produção de gasolina.

Mas, sabe o que dizem os jornalistas comprados para gerar fantasias e factóides? "O Brasil está com o pé no acelerador". Como se a planejada e nunca concluída Refinaria de Pernambuco não fosse obra do 'planejamento com base no crescimento'. É muita incompetência dessa turma do PT.

A assombração do Brasil corrupto.

Quem tem medo de cachoeira


Carlinhos Cachoeira devastador: pivô em 2004 e agora, em 2012

Claudio Dantas Sequeira, ISTOÉ
Nas últimas semanas, a revelação das conexões do bicheiro Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira, com políticos, empresários e policiais estremeceu a capital federal.
O arsenal de informações contidas no inquérito da Operação Monte Carlo foi tão devastador que conseguiu silenciar uma das principais vozes da oposição, o senador Demóstenes Torres (DEM/GO). O parlamentar, porém, pode não ser o único a cair em desgraça sob a acusação de manter ligações perigosas com o contraventor.
Para tentar entender por que Cachoeira atemoriza tanta gente, mesmo isolado numa pequena cela do presídio federal de Mossoró, Rio Grande do Norte, ISTOÉ ouviu pessoas ligadas a ele.
Os relatos dão conta de um esquema milionário que abasteceu o caixa 2 de diferentes partidos. Os pagamentos eram acertados pelo próprio Cachoeira com os arrecadadores de campanha. E o que mais provoca temor em seus interlocutores e comparsas: a maioria dessas negociatas foi devidamente registrada pelo empresário da jogatina.
Em pouco mais de uma década, o bicheiro acumulou um vasto e explosivo acervo de áudio e vídeo capaz de comprometer muita gente graúda. Na operação de busca e apreensão na casa de Cachoeira no início do mês, a PF encontrou dentro de um cofre cinco CDs avulsos.
No entanto, outra parte do material – ainda mais explosivo – estava escondida em outro lugar, uma chácara em Anápolis (GO). O local sempre serviu como espécie de quartel-general para reuniões do clã Cachoeira, além de esconderijo perfeito para seu acervo de gravações.
Conforme apurou ISTOÉ, nos vídeos que ainda estão em poder de Cachoeira não constam apenas reuniões políticas ou pagamentos de propina. Lá há registros de festinhas patrocinadas por ele com a presença de empresários e políticos. Uma artilharia capaz de constranger o mais desinibido dos parlamentares.
Leia a íntegra em Quem tem medo de cachoeira

A crise viajou

Viu como a semana andou bem? A Dilma devia viajar a cada 15 dias. Para ficar melhor, podia levar junto a Ideli.

                                                                    Senador Valdir Raupp (PMDB-RO)

Corrupção grossa que vira 'malfeito' na linguagem petista

Desclassificado do leilão para o fornecimento de lanchas ao Ministério da Pesca - contrato que, segundo auditoria do Tribunal de Contas da União (TCU), foi feito “sem justificativa adequada” -, o dono da Engetec, Cesar Thomé Filho, diz não ter dúvida de que o negócio foi dirigido para beneficiar a Intech Boating, que faturou R$ 31 milhões. 

Lanchas foram superfaturadas, afirma empresário - Arquivo Revista Náutica
Em entrevista por telefone ao Estado, nesta sexta-feira, ele especula que o dinheiro doado pela Intech ao PT de Santa Catarina saiu do preço superfaturado das lanchas. “É corrupção”, diz.

O TCU diz que a licitação para a compra das lanchas-patrulha foi dirigida para a Intech Boating.
Não tenho a menor dúvida disso. A descrição técnica (do edital) era a embarcação da Intech, sem tirar nenhum parafuso. Outra característica curiosa: a licitação aconteceu na véspera do Natal de 2009, época em que ninguém fica procurando nada. Quando cheguei a Brasília, fui a um gabinete bem em frente ao do ministro. Já estava sentado o dono da Intech. Ele perguntou o que eu estava fazendo ali, com cara de surpresa. Fizeram uma sabatina comigo, eu senti que havia já algum interesse de que eu não participasse (da concorrência). Daí pediram um intervalo para o almoço. No elevador, esse rapaz da Intech fez uma sugestão. Eu me fiz de desentendido.

Que tipo de sugestão?
Para fazer uma parceria. Se você fala isso, significa que há um acordo para manter o preço lá em cima, e cada um faz a metade. Quando voltamos, começamos o pregão. O preço era R$ 1.670.000 para cada barco. Era uma licitação milionária. Eu cheguei a R$ 1.049.500 (por lancha). Quando me declararam vencedor, foram levantar alguma coisa para me desclassificar. A exigência que fizeram não justificava a desclassificação. Depois eu soube que houve uma majoração do preço. Numa manobra, o preço subiu. Eu ficaria tranquilo se não tivesse havido essa majoração depois. Ele (o representante da Intech) tinha por obrigação fazer por aquele valor.

O sr. participa de licitações. Acha normal um órgão de governo pedir doação para campanha eleitoral, como ocorreu com a Intech, que doou ao comitê do PT em Santa Catarina?
Olha, isso nunca aconteceu comigo. Não é normal, todo mundo sabe que isso é corrupção. O cara vai doar um dinheiro baseado no quê? Baseado num sobrepreço que ele pôs. Não vai tirar dinheiro do bolso para dar. Não é louco de jogar dinheiro fora.

Já já explode tudo! Um diálogo captado pra lá de complicado

De bandido para bandido, uma conversa que foi gravada e pode render muitos frutos ao País, ao desbaratar quadrilhas de políticos e outros tipos de bandidos infiltrados nas máquinas públicas.
 
Cachoeira - O Policarpo, você conhece muito bem ele. Ele não faz favor pra ninguém e muito menos pra você. Não se iluda, não (…) Os grandes furos do Policarpo fomos nós que demos, rapaz (…) Ele não vai fazer nada procê.

Jairo - É, não, isso é verdade aí.

Cachoeira - Limpando esse Brasil, rapaz, fazendo um bem do caralho por Brasil, essa corrupção aí. Quantos já foram, rapaz!? E tudo via Policarpo. Agora, não é bom você falar isso com o Policarpo, não, sabe? Você tem que afastar dele e a barriga dele doer, sabe? Tem que ter a troca, ô Jairo. Nunca cobramos a troca.

Jairo - Isso é verdade.

Cachoeira - E fala pra ele (…) eu ganho algum centavo seu, Policarpo? Não ganho (…) Nós temos de ter jornalista na mão, ô Jairo! Nós temos que ter jornalista. O Policarpo nunca vai ser nosso…

Jairo - É, não tem não, não tem não. Ele não tem mesmo não. Ele é foda!

Para saber detalhes da história, leiam aqui o post publicado por Reinaldo Azevedo. 

sexta-feira, 30 de março de 2012

PT que não suporta PT.

"Acreditamos que Maurício Rands hoje tem melhores condições de representar o PT na disputa municipal do Recife. E nós não podemos pecar por omissão."

Correntes petistas lançando uma nova candidatura para impedir que o atual prefeito, João da ("Bosta") - como é carinhosamente apelidado pelos recifenses,  também do PT, concorra à reeleição. Nem o PT atura o PT no Recife.

Pegando qualquer taxi na capital pernambucana, você descobrirá vários apelidos que o povo inventou: João da Bosta, João de Costas, Tô de Costa, Anta de Costa e por aí vai. Para quem não lembra, João da Costa foi uma invenção de João Paulo. Venceu e o indicou sob alegação de que era um técnico de mão cheia e grande gestor. Deixou os cofres abarrotados de recursos e os projetos em andamento e mesmo assim nada andou. Faz lembrar a transnordestina e a transposição.

De aviões aos cabarés de Paris. Lula queria, lembram?

Esta semana, oficiais indianos teriam demonstrado estar insatisfeitos com as negociações para a compra dos caças Rafale, segundo anunciou o canal de televisão "Times Now". Os problemas se referem ao valor dos aparelhos e à falta de clareza quanto à transferência de tecnologia. Por outro lado, um escândalo envolvendo o chefe das Forças Armadas indianas, general V. K. Singh, se agravou, levando o ministro da Desefa, A. K. Antony, a declarar hoje que se for constatada qualquer irregularidade ou indício de corrupção em contratos do setor, o governo indiano não hesitará em "cancelar contratos em fase de finalização, ainda que já tenham passado por avaliações técnicas e comerciais". Em janeiro, o Rafale foi proclamado vencedor da licitação indiana. Desde então, iniciou-se um processo de negociações exclusivas com a fabricante Dassault. Leia mais aqui, em português de Portugal.

Alexandre Arraes e Valmir Filho estão em Brasília participando de seminário preparatório de candidatos para a eleição 2012.

Juíza Carla Janaína, Valmir Filho, Alexandre Arraes e Roberta Bertini.
O prefeito em exercício e candidato a reeleição, Alexandre Arraes, está em Brasília na companhia do médico e correligionário Valmir Filho. Eles participam de um seminário do PSB, cujo objetivo é preparar candidatos a prefeito, vice e vereadores, visando à disputa eleitoral de 2012.
Os palestrantes são todos de algo nível e com comprovada experiência administrativa. Já falaram Márcio Lacerda, prefeito de Belo Horizonte, Luciano Dulcci, Eduardo Campos, entre outros.
O PSB quer nivelar em cima seus candidatos, pregando sistematicamente que eleição deixou de ser coisa para amadores. Desde organização da militância e contato com o movimento organizado, até os atos de gestão são repassados pelos palestrantes, nos dois dias de evento, que acontece no Centro de Convenções de Brasília.
Valmir Filho e Inocêncio Oliveira se ‘acertam’ com Eduardo Campos
O médico Valmir Filho, que retirou sua candidatura em apoio a Alexandre Arraes, teve uma conversa decisiva com o governador, diálogo este mediado pelo deputado Inocêncio Oliveira, este presidente do PR e interessado maior no crescimento do partido. Ambos se negaram a revelar o teor desse encontro reservado.
Compõem ainda a comitiva araripinense os vereadores Luciano Capitão, João Dias e Edvaldo.

Convênios
O prefeito está mais empenhado em conseguir verbas do que aprender a fazer política, como pretendia o PSB. Duas audiências já foram realizadas em ministérios e agora à tarde outro encontro está agendado. Na bagagem, Alexandre deverá trazer verbas do Ministério do Desenvolvimento Social.
Pesquisas
Sobre a suposta pesquisa realizada pelo PSB, em que apareceria liderando, num empate técnico com outro líder local que não é candidato, Alexandre desconversou. "Só ouvi  falar do índice de aprovação ao meu governo, que está acima de 70%. Não abri e-mails hoje e não sei informar sobre a disputa em si", desconversou de forma irônica o prefeito de Araripina. "Quando eu chegar aí abro o e-mail junto com você para ver as informações qualitativas, pois é proibido divulgar qualquer pesquisa", despistou, se dirigindo a um correligionário curioso.

Vagas de vereador

PMDB e PSL já consolidaram uma aliança para formar chapinha com vistas às eleições que se aproximam. Os presidentes dos dois partidos já se reuniram várias vezes, duas das quais com os pré-candidatos e uma com estes e o prefeito Alexandre.
Está bem perto de ser anunciado o desfecho sobre o apoio a candidato a prefeito. Certo, por enquanto, está que os dois partidos formarão uma chapinha para lutar pelo preenchimento das cinco vagas que foram criadas na câmara municipal.
PSL e PMDB são presididos no município por Idelfonso do Mel e Ronaldo Lacerda, respectivamente. A chapa a ser apresentada é de renovação e deverá contrar com cerca de 20 candidatos com perfil renovador. Ainda está sendo aguardada uma resposta do PC do B, mas este partido foi formado com candidatos de todas tendências e precisa de mais tempo para se definir quanto ao pleito de 2012.

Pesquisas Araripina: Muitos resultados e nenhum 'dono' em segundo lugar

Araripina é mesmo uma cidade engraçada. O território é o mesmo, a eleição é a mesma, o binônio satisfação/insatisfação é o mesmo e os candidatos imutáveis. Mas cada um encontra um jeito de sair em primeiro lugar nas pesquisas que encomendam. A tropa de Lula Sampaio dizia isso; a de Bringel da mesma forma e agora as fontes palacianas fazem igual, colocando Alexandre Arraes como o primeiro na lista dos preferidos, bem à frente dos concorrentes.
Na verdade, aquele que tiver seu governo bem avaliado tem chances reais de vencer. É este o caso de Alexandre Arraes? Quero ver as pesquisas para ter a resposta definitiva.

NITROGLICERINA 'MONTE CARLO'

Clique para acessar no Blog Vetor Mil. É nitroglicerina pura.

Presidente do DEM sob o signo da suspeita

Santos do pau-ôco - Oposição precisa se renovar urgentemente.
O Ministério Público do Rio Grande do Norte enviou à Procuradoria-Geral da República pedido para que investigue o presidente nacional do DEM, senador José Agripino (RN), apontado como beneficiário de pagamentos feitos pela máfia da inspeção veicular em seu Estado. Em depoimento, o empresário José Gilmar de Carvalho Lopes, preso na Operação Sinal Fechado, relatou o suposto repasse de R$ 1 milhão ao parlamentar e a Carlos Augusto Rosado, marido da governadora do RN, Rosalba Ciarlini (DEM).

Segundo a Promotoria de Defesa do Patrimônio Público, Lopes é sócio oculto do advogado George Olímpio, apontado como mentor das fraudes na inspeção veicular e outros projetos do Detran-RN. Nas declarações, de 24 de novembro, mesmo dia das prisões de envolvidos no esquema, ele disse que Olímpio lhe relatou ter feito pagamentos a Agripino e Rosado.O valor teria sido pago em dinheiro, parcelado, na campanha de 2010, e a negociação teria ocorrido no sótão do apartamento do senador em Natal. Agripino nega ter recebido propina, mas diz que Olímpio esteve no imóvel, interessado em implementar o contrato de inspeção veicular no governo de Rosalba.

Agripino pediu ao Estado que ligasse para o advogado de Lopes, José Luiz Carlos de Lima, que desmentiu o depoimento do cliente. Segundo ele, Lopes estava sob efeito de medicamentos quando fez as acusações. As informações sobre a operação foram enviadas à PGR, que decidirá se há elementos para pedir ao Supremo Tribunal Federal investigação contra o senador. A Operação Sinal Fechado apurou o desvio de recursos do Detran-RN para empresas de Olímpio e pessoas ligadas a ele. Segundo o MP, políticos receberam vantagens para favorecê-las em licitação e contratos públicos. (Estadão)

'Doações' e doações

Após ser contratada para construir lanchas-patrulha de mais de R$ 1 milhão cada para o Ministério da Pesca - que não tinha competência para usar tais embarcações -, a empresa Intech Boating foi procurada para doar ao comitê financeiro do PT de Santa Catarina R$ 150 mil. O comitê financeiro do PT catarinense bancou 81% dos custos da campanha a governador, cuja candidata foi a atual coordenadora política do governo, ministra Ideli Salvatti, em 2010. 

Ex-militante do PT, o dono da empresa, José Antônio Galízio Neto, afirmou em entrevista ao Estado nesta quinta-feira, 29, que a doação não foi feita por afinidade política, embora se defina como filiado da época de fundação do partido em São Bernardo do Campo (SP). “O partido era o partido do governo. A solicitação de doação veio pelo Ministério da Pesca, é óbvio. E eu não achei nada demais. Eu estava faturando R$ 23 milhões, 24 milhões, não havia nenhum tipo de irregularidade. E acho até hoje que, se precisasse fazer novamente, eu faria”, disse o ex-publicitário paulista. Logo em seguida, na entrevista, ele passou a atribuir o pedido de doação a um político local.

Derrotada na eleição, Ideli preencheu a cota do PT de Santa Catarina no ministério de Dilma Rousseff, justamente na pasta da Pesca. Em cinco meses no cargo, antes de mudar de gabinete para o Planalto, a ministra pagou o restante R$ 5,2 milhões que a empresa doadora à campanha petista ainda tinha a receber dos cofres públicos. Leia mais aqui.

DEMóstenes, o boy de luxo de Cachoeira

Novas gravações da Polícia Federal mostram que o senador Demóstenes Torres (DEM-GO) colocou o mandato e o prestígio de parlamentar a serviço de negócios de Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira, preso por chefiar a exploração ilegal de caça-níqueis e outros jogos em Goiás. Nas escutas, obtidas pelo GLOBO, Demóstenes acerta com Cachoeira táticas que vão da interferência em processo judicial ao lobby pela legalização dos jogos de azar no Congresso Nacional.

Nos diálogos, o senador trata ainda de nebulosos negócios na Infraero no período em que a estatal estava sob o comando do brigadeiro José Carlos Pereira, e Demóstenes era o relator da CPI do Apagão Aéreo. Em outros trechos das gravações, Demóstenes pede dinheiro a Cachoeira para pagar despesas com táxi-aéreo, no valor de R$ 3 mil, conforme antecipou O GLOBO na sexta-feira passada. As conversas foram gravadas pela Polícia Federal, durante a Operação Vegas, ao longo de 2009. Num dos diálogos, interceptado às 14h41m de 22 de junho de 2009, o senador pede que Cachoeira pague o frete de um avião da Sete, empresa de táxi-aéreo. 

O contraventor já cobra a conta na mesma conversa e pede ao senador que interceda num processo judicial que estava no gabinete do desembargador Alan Sebastião de Sena Conceição, do Tribunal de Justiça de Goiás. O processo estava relacionado a um delegado e três agentes da Polícia Civil de Anápolis acusados de tortura e extorsão.

- Por falar nisso, tem que pagar aquele trem do Voar. Do Voar, não, da Sete, né? - pede Demóstenes.
- Tá, tu me fala aí. Eu falo com o... com o Vilnei. Quanto foi lá? - concorda Cachoeira.

O senador informa que a despesa é de R$ 3 mil. Cachoeira diz que vai mandar um auxiliar quitar a dívida e imediatamente encomenda um serviço especial ao parlamentar.

- Deixa eu te falar. Aquele negócio (processo) tá concluso aí, aquele negócio do desembargador Alan, você lembra? A procuradora entregou aí para ele. Podia dar uma olhada com ele. Você podia dar um pulinho lá para mim? - diz Cachoeira.
O senador pergunta sobre um detalhe do caso e aceita a missão.
- Tá tranquilo. Eu faço - diz Demóstenes.

Os dois já tinham acertado formas de interferir no processo em conversas anteriores. Nos diálogos, em que Demóstenes chama Cachoeira de "Professor" e é tratado pelo amigo de "Doutor", o senador relata ao contraventor o resultado de uma reunião que tivera pouco antes com o magistrado.

- Fala, Professor. Acabei de chegar lá do desembargador. O homem disse que vai olhar o negócio e tal - confidencia o senador, numa conversa interceptada às 16h39m de 6 de abril de 2009. Cachoeira quer saber se o julgamento será rápido, e o senador confirma.
- Vai julgar rápido. Mandou pegar o papel, já pegou o... negócio lá. Diz que vai fazer o mais rápido possível - avisa Demóstenes.

Num diálogo, gravado em 22 de abril de 2009, o contraventor manda o senador fazer um levantamento sobre o projeto de lei 7.228, relacionado a jogos de azar, e dois dias depois cobra uma posição de Demóstenes. E até pede que ele fale com o então presidente da Câmara, Michel Temer, hoje vice-presidente da República. O senador promete ajudar e diz que vai tentar fazer com que o plenário da Câmara vote a proposta, o que não aconteceu.

- Anota uma lei aí. Você podia dar uma olhada. Ela tá na Câmara. 7.228 2002. PL (projeto de lei) - orienta Cachoeira.
O senador obedece, pede mais informações, anota e aceita a tarefa.
- Vou levantar agora e depois te ligo aí - promete.

Em outras conversas, o senador, que sempre alegou desconhecer atividades ilegais de Cachoeira, alerta que o texto, na forma em que se encontrava, poderia prejudicar o contraventor.

- Regulamenta, não (as loterias estaduais). Vou mandar o texto procê. O que tá aprovado lá é o seguinte: "transforma em crime qualquer jogo que não tenha autorização". Então inclusive te pega, né? Então vou mandar o texto pra você. Se você quiser votar, tudo bem, eu vou atrás. Agora a única coisa que tem é criminalização, transforma de contravenção em crime, não regulariza nada - avisa Demóstenes.
Cachoeira discorda e acalma o senador.
- Não, regulariza, sim, uai. Tem a 4-A e a 4-B. Foi votada na Comissão de Constituição e Justiça - diz.

Uma outra conversa, gravada em 4 de abril de 2009, revela que o senador e o contraventor estão de olho em um milionário "negócio" em andamento da Infraero. Um dos intermediários na transação seria Dadá, o sargento da reserva da Aeronáutica Idalberto Matias Dadá, um dos presos na Operação Monte Carlo. Demóstenes teria usado a autoridade de relator de uma CPI para levantar informações e prospectar contratos de informática na estatal.

- O negócio da Infraero, conversei com a pessoa que teve lá. Disse o seguinte: o nosso amigo marcou um encontro com ele em uma padaria, não sei o quê. E levou o ex-presidente (José Carlos Pereira, da Infraero), cê entendeu? E que aí o trem lá não andou nada. Eles nem sabem o que tá acontecendo - confidencia Demóstenes
Cachoeira ordena, então, que o senador faça o serviço.
- Mas tem que ser você mesmo. Você que precisava ligar para ele.

Procurado pelo GLOBO, Pereira confirmou que teve três encontros com Demóstenes em 2009 e reforçou as acusações contra o senador, dizendo que o político estava interessado nos contratos da área de informática da Infraero.
- Houve uma época, durante a CPI (do Apagão Aéreo), eu senti que o Demóstenes poderia estar interessado em assuntos muito internos da Infraero, principalmente ligados à área de informática. E eu cortei na raiz. Eram licitações - disse o brigadeiro. O desembargador Alan Sebastião confirma que tratou do caso dos policiais torturadores, mas diz que não se lembra se recebeu Demóstenes em seu gabinete. Ele alega que muita gente vai ao gabinete dele pedir "carinho" na análise de processos.
- Mas, se você for escrever alguma coisa, escreva que meu voto foi pela manutenção da condenação dos policiais - disse o desembargador.

Michel Temer disse que, em nenhum momento, foi procurado por Demóstenes para tratar de projetos relacionados a jogos. O advogado Antônio Carlos de Almeida Castro, o Kakay, contratado pelo senador, disse que Demóstenes sempre votou contra os bingos, mas não faria comentários porque não conhece o conteúdo das gravações

quinta-feira, 29 de março de 2012

Fim da prostituição, hipocrisia ou perseguição a um ex-líder nas pesquisas para disputar a presidência da França?

Mensagens de celular mostram como DSK organizava orgias


Considerando que Europa e EUA estão repletos de cabarés e prostitutas, fica estranho o noticiário sobre Dominique.
O Globo
Transcrições de mensagens de celular obtidas pelo jornal "Le Monde" revelam detalhes de como o ex-chefe do Fundo Monetário (FMI) Dominique Strauss-Kahn organizava, junto a um empresário francês, festas com mulheres em cidades como Paris, Washington e Bruxelas.
Foi por essas festas que na última segunda-feira a Justiça da cidade de Lille, no extremo Norte francês, abriu uma investigação formal contra Strauss-Kahn e Fabrice Paszkowski, o empresário com quem ele trocava as mensagens. Os dois são suspeitos de "cumplicidade em prostituição organizada".
DSK, como é conhecido, garante que não sabia que as mulheres presentes nas festas eram prostitutas, como mostra o resumo da investigação obtido também pelo "Le Monde". O político diz que "não pergunta sobre a vida privada das pessoas".
Nos SMS — milhares segundo o jornal — ele trata as mulheres por "garotas", "amigas" e "meninas". Numa mensagem de julho passado, chega a usar a palavra "material": "Quer vir comigo e com o material descobrir uma magnífica e sem-vergonha discoteca de Madri", escreve a Paszkowski.
Leia mais em Mensagens de celular mostram como DSK organizava orgias

Venda de notebooks no Brasil cresceu 60% em 2011

A venda de notebooks no Brasil cresceu 60% em 2011, informou nesta quarta-feira a agência de pesquisa de mercado GfK Consumer Goods.
Segundo o levantamento, foram 5 milhões de unidades vendidas no total. Além disso, os preços dos produtos caíram 20% em relação ao ano anterior. Segundo a consultoria, mais de um terço do total de unidades vendidas já foi abaixo de R$ 1 mil.

Cuidado!

Amianto: milhares de britânicos serão indenizados


O Globo
Milhares de trabalhadores que contraíram câncer por exposição ao amianto devem ser indenizados num montante estimado, segundo o jornal “Guardian”, entre 600 milhões de libras e cinco bilhões de libras. A decisão foi anunciada em uma sentença histórica do Supremo Tribunal britânico, que encerrou mais de cinco anos de disputa judicial.
Os juízes determinaram que as seguradoras deverão indenizar as vítimas ou seus parentes, levando em conta o momento da contaminação e quando foram identificados os sintomas do câncer, anos depois. Estima-se que milhares de pessoas contaminadas ou seus herdeiros serão beneficiados pela sentença, já que os primeiros casos remontam aos anos 1940.
Acredita-se que, desde então, o amianto tenha causado a morte de cinco mil pessoas por ano e que ainda surjam 2.500 novos casos ao ano. Espera-se, porém, que este número comece a cair após 2015.
A Justiça se pronunciou em 2008 a favor dos doentes, mas, em seguida, o Supremo Tribunal deu razão às seguradoras, causando “confusão e incerteza entre as vítimas e suas famílias”.
Agora, um painel de cinco juízes do Supremo determinou que “a negligente exposição de um empregado ao amianto durante o período em que apólice (de seguro) estava em vigor tem vínculo causal suficiente com a consequente aparição de mesotelioma (um tipo de câncer) para ativar as obrigações do segurador”.
Leia mais em Amianto: milhares de britânicos serão indenizados

'Transposição' de rios de dinheiro

Auditoria do Tribunal de Contas da União (TCU) apontou superfaturamento de R$ 29 milhões num dos trechos da obra da transposição do São Francisco, localizado no Ceará, e mandou rever os custos do negócio. As novas licitações deverão consumir R$ 2,6 bilhões, segundo previsão do Ministério da Integração. As irregularidades encontradas no edital do lote cinco da obra foram consideradas graves, e incluem preços de até 143% acima dos cobrados pelo mercado, no caso da areia, além de suposta restrição à concorrência. O TCU mandou rever o edital antes do lançamento, previsto para abril. A transposição do São Francisco é o mais caro dos projetos do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). Só no governo Dilma Rousseff, os preços aumentaram 71% e saltaram para R$ 8,2 bilhões. A transposição prevê a construção de mais de 600 quilômetros de canais de concreto para desviar parte das águas do rio São Francisco para o semiárido de quatro Estados do Nordeste: Ceará, Paraíba, Pernambuco e Rio Grande do Norte. O principal uso da água será para projetos de irrigação.

PE: 500 milhões para UPAs e estradas.

O presidente do Senado, José Sarney, avisou pelo telefone ao governador Eduardo Campos, às 17h30 de ontem que foi aprovada a mensagem 26/2012, que autoriza o Governo de Pernambuco a receber financiamento de 500 milhões de dólares para investimento no Estado. A mensagem teve tramitação extremamente rápida. Entre os que mais atuaram, estão Armando Monteiro Neto, Humberto Costa, Jarbas Vasconcelos, Lídice da Mata (relatora), Antônio Carlos Valadares, Wellington Dias, Delcídio Amaral, entre outros.
A próxima etapa será a assinatura do contrato com o Banco Mundial em 10 de abril, em Washington. No caso, o DPL de Pernambuco financiará a implantação das UPAs Especialidades, a rede de escolas técnicas e o programa Caminhos da Integração, que melhora a malha viária do estado com a recuperação de trechos deficientes e a implantação de novas rodovias.

Lula está bem. O Brasil descobriu que o SUS pode ser quese perfeito se o PT investir o que arrecada


O tumor na laringe do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, 66, desapareceu. Os exames feitos nesta manhã --de ressonância magnética e diagnósticos detalhados na garganta-- mostram que não há mais resquícios do câncer. Os médicos evitam falar em cura, o que só poderá ser confirmado em cinco anos. Ao fim deste período, novos exames poderão constatar se o ex-presidente foi curado. Boletim médico divulgado no final da manhã informou que Lula continuará a fazer sessões de fonoaudiologia. "Foram realizados exames de ressonância nuclear magnética e laringoscopia, que mostraram a ausência de tumor visível, revelando apenas leve processo inflamatório nas áreas submetidas à radioterapia, como seria esperado", dizem os médicos (Da Folha Poder)

Só resta agora aguardar que o mesmo método e os equipamentos utilizados para salvar a voz e a vida de Lula seja levado a todos os brasileiros, em todas as partes do País, e sem as filas que hoje verificamos no SUS. Verba existe. A cada dia pagamos mais impostos.

Se a Dilma deixou para os estados liberarem a cerveja na Copa, não há motivo para impedir que eles também decidam sobre o Código Florestal.

A Câmara aprovou nesta quarta-feira, como o Governo Federal queria, o texto principal do projeto da Lei Geral da Copa. A lei não deixou clara a liberação da venda das bebidas alcoólicas nos estádios durante os jogos, transferindo a decisão para os Estados. Uma tremenda esperteza da Dilma, mas uma grande oportunidade para os deputados. Não vamos esquecer que a aprovação da Lei da Copa estava vinculada à votação do Código Florestal. Se os Estados podem decidir sobre venda de bebidas, também podem definir o tamanho das áreas de preservação permanente às margens de rios, que é um dos pontos ainda abertos na negociação.  Se os governadores assumiram o ônus de liberar o álcool, que exijam o bônus de liberar a cana.

Petistas x petistas

Alvo de queixas pela articulação política do governo, Ideli Salvatti brincou com o clima com os aliados. "Ontem me disseram: 'Tá tudo em paz?' Eu disse assim: 'Se estiver tudo em paz, eu sou demitida'. Porque o meu trabalho é exatamente ir construindo os consensos, ir construindo, né, as articulações e as negociações pra resultar no que tivemos hoje. O resultado de hoje é resultado do trabalho", afirmou. 

A ministra também negou que o governo tenha sido surpreendido com o acordo para votar a Lei Geral da Copa. Na semana passada, aliados ajudaram a derrubar a análise do projeto, condicionando a votação a discussão da reforma do código florestal, expondo o problema com a base. Presidente da República interino até hoje, o presidente da Câmara, Marco Maia (PT-RS), disse que articulou o entendimento. Ideli afirmou que esse encaminhamento já estava sendo negociado desde a semana passada. "Já estava sendo feito e andando".(Folha Poder)

Mineirinho e provinciano: Aécio sem timing e com discurso velho.

Ontem, quando Aécio Neves (PSDB-MG) resolveu ir à tribuna fazer oposição e dizer que o "governo está parado", foram aprovados o Fundo de Previdência dos Servidores e a Lei Geral da Copa. O Código Florestal, sobre o qual o mineiro jamais se manifestou com a necessária veemência, dados os riscos para a agricultura do seu estado e do Brasil, também está com negociação adiantada. No dia em que Aécio Neves disse que o Brasil "está parado", o país andou. O mais grave é ver o senador criticar indiretamente o crescimento da agropecuária, achando ruim que tenhamos aumentado as exportações de "commodities" de forma espetacular, sustentando a economia brasileira, literalmente. A mesma China que roubou a indústria do mundo inteiro, está comendo a soja e a carne que produzimos. Com saldo positivo para a balança comercial.  Está faltando timing e discurso para o senador mineiro. Em economia, poderia pedir umas aulinhas para o Serra.

O troco de Marta: "Lula não elege Haddad"

Quem não conhece Marta Suplicy que a compre. O que ela está dizendo é que quer mandar sozinha na campanha de Haddad, sem a interferência nem mesmo de Lula, que a descartou quando tinha 30% das intenções de voto, trocando-a por um desconhecido que não sai dos 3%. Toda a agressividade de Marta significa: só entro nesta canoa se mandar sozinha. E se me buscarem carregada nos ombros.

Enquanto o PT tenta administrar uma crise interna sobre a coordenação da campanha do ex-ministro Fernando Haddad à Prefeitura de São Paulo e dirigentes já externam a preocupação com as dificuldades para o nome do petista decolar, a senadora Marta Suplicy (PT-SP), indignada com as pressões do Palácio do Planalto e da cúpula para socorrer o candidato, escancarou na última quarta-feira, 28, a insatisfação com a estratégia de seu partido. "Haddad tem que gastar sola de sapato", disse a senadora ao Estado. "Além disso, as alianças farão diferença. O restante é conhecer os problemas da cidade e conquistar a militância. Ninguém pode substituir e nem fazer isso pelo candidato."

Marta fez o comentário ao saber que o governo e o PT farão uma força-tarefa para pressioná-la a entrar na campanha e auxiliar Haddad, principalmente na periferia, conforme revelou o Estado na última quarta. Ministros conhecidos em São Paulo, como o titular da Educação, Aloizio Mercadante - que concorreu ao governo paulista em 2010 -, e o da Saúde, Alexandre Padilha, também serão escalados para agendas. Depois de ter sido obrigada a desistir da disputa na capital paulista, Marta avaliou que o PT erra novamente ao lhe cobrar ajuda agora, quando deveria procurar aliados, e alfinetou o candidato.

"Não se turbina uma candidatura com desespero, pressões e constrangimento", escreveu a senadora no Twitter. Sem esconder a mágoa por ter sido excluída da disputa bem antes da entrada do ex-governador José Serra (PSDB) no páreo, a ex-prefeita de São Paulo (2001 a 2004) usou o microblog para dar o seu recado, abrindo uma crise no PT. Enquanto Marta tuitava e esbravejava contra o PT, Haddad, em entrevista a uma rádio da capital, elogiava a gestão da petista e dizia que foi uma honra trabalhar ao lado dela - ele foi chefe de gabinete da Secretaria de Finanças na gestão da ex-prefeita.

"A tese de que qualquer candidato do PT tem assegurados 30% do eleitorado não é totalmente verdadeira. O desafio principal do momento é o de convencimento e costura do mais amplo leque de forças, que seja capaz de derrotar o PSDB em São Paulo", insistiu Marta no Twitter. Desde 2000, os candidatos majoritários do PT à Prefeitura tiveram votação de pelo menos 30% - incluindo, além de Marta, José Genoino e Mercadante.

A reação de Marta foi uma resposta a declarações do ministro-chefe da Secretaria-Geral da Presidência, Gilberto Carvalho, para quem a campanha em São Paulo não pode apostar todas as fichas na presença do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Carvalho disse ainda que é preciso "colar" Haddad na militância. "O Lula é um ator muito importante eleitoralmente, mas não dá para jogar nas costas dele toda a nossa campanha em todo lugar do Brasil", reiterou o ministro ontem, que passou a tarde com Lula em São Bernardo do Campo, após a notícia de que o tumor do petista foi extirpado (leia abaixo).

Segundo o ministro, Lula lhe disse que participará moderadamente de campanhas. "Ele quer contribuir moderadamente. Ele sabe que o estado de saúde dele não recomenda sair fazendo comícios em tudo que é lugar. E acrescentou: "Precisamos tomar cuidado porque o Haddad não é o centro da vida do Lula. É uma coisa importante, mas nós comentamos isso: a militância historicamente precisa entrar na campanha para dar peso". Carvalho insiste: a campanha em SP não pode se resumir a Lula.

O presidente do PT na capital paulista e coordenador da campanha de Haddad, vereador Antonio Donato, disse ontem que é impossível fazer a candidatura decolar neste momento. "Não tem milagre agora. "Haddad vai crescer em agosto, antes é difícil, porque não tem mídia de massa. Então não tem desespero." Para o deputado José di Filippi Jr. (PT-SP), que recusou convite para ser tesoureiro de Haddad, "a campanha é televisão e muito corpo a corpo" e "o crescimento é uma questão de tempo". (Estadão)

Quem tem pena de Demóstenes

Sob suspeita de envolvimento com o contraventor Carlinhos Cachoeira, o senador Demóstenes Torres (DEM-GO) tem impressionado os colegas pelo seu estado de espírito. A um deles fez um desabafo: - Eu não sou mais o Demóstenes. Nesta conversa, aparentou estar depressivo, constrangido e envergonhado com as revelações recentes. Nos últimos dias, o senador que costumava decorar as paredes de seu gabinete com reportagens em que aparecia como protagonista da defesa de valores éticos tem revelado que não consegue mais dormir. A insônia produziu olheiras profundas que chamam atenção dos seus poucos interlocutores.

Até para amigos mais próximos, Demóstenes tem sido lacônico quando perguntado sobre o teor de suas conversas telefônicas com Cachoeira: - Não sei. Essa insegurança sobre o conteúdo das conversas tem afastado os antigos aliados. Demóstenes avalia que só lhe resta a defesa do mandato. Mas seus amigos já não descartam a renúncia. - O destino está nas mãos dele - disse o presidente do DEM , senador José Agripino Maia (RN).

quarta-feira, 28 de março de 2012

Sorriso de certos políticos

Alguns políticos tradicionais são assim: além do envenenamento, risco de tétano.

Trânsito novo x Lei Velha

Ontem, em ato festivo, o prefeito Alexandre Arraes inaugurou a sede da ATTA - Autarquia de Trânsito e Transportes de Araripina. A Lei criando esta autarquia foi elaborada em 2008 pelo então secrétário de Planejamento do Município, Ronaldo Lacerda. A câmara aprovou o projeto no apagar das luzes do mesmo ano.
Ontem, na inauguração, o presidente nomeado pelo prefeito do município para comandar a autarquia, Sebastião da Comal, fez um longo e eloquente discurso, mas esqueceu de informar que foi na administração do cunhado Valdeir Batista que o projeto foi elaborado, inclusive com gastos para o município, que contratou uma empresa especializada para estudar o trânsito e os motivos de tanto estrangulamento. Durante estes quase quatro anos, o projeto foi engavetado pelas autoridades municipais, o que ocasionou muitos transtornos e consolidou a falta de educação de condutores e pedestres na sede de Araripina, males disseminados e promovidos pela falta de regras e de campanhas educativas, e também de sinalização adequada, o que leva a donos de vãs pararem suas longas e largas 'bestas' (de cidades vizinhas) no meio das ruas, buzinando à toda altura, e até zombando dos condutores da cidade que se irritam com razão.
A educação e polidez de um homem não pode chegar ao ponto de fazer-lhe esquecer fragmentos da história, permitindo que esta fique mal contada, ou contada apenas em parte. Portanto, este blog faz justiça a todos os bravos que se envolveram em memoráveis campanhas pela melhoria do trânsito, desde alunos das redes pública e particular, aos clubes de serviço, empretecos, empresários, comerciantes e comerciários. O prefeito Alexandre Arraes, por seu lado, mostra capacidade e responsabilidade, ao pontuar interesse de enfrentar problema tão grave em pleno ano eleitoral.

A AUTARQUIA
A sede da ATTA está confortavelmente instalada no prédio do Rotary de Araripina, que foi reformado e adaptado para esta finalidade. O sistema conta ainda com a JARI, que é a Junta de Apuração de Recursos de Infração. Ontem não se falou da nomeação dos membros desta junta, fundamental para o pleno processo de municipalização do trânsito.
Além de Sebastião, são diretores da autarquia o 'polido Deodato Santiago, a eficiente Robéria Morais de Barros, o jovem e atuante advogado Marco Túlio Alencar e o prestigiado servidor do Detran, Bruno Oliveira'.

IMAGENS E AUTORIDADES
Ontem à noite, a Rua José Barreto Alencar foi interditada em sua parte central para a solenidade de inauguração da ATTA. Muitas autoridades, secretários municipais, servidores públicos, militantes e populares compareceram. As imagens e as informações ainda não foram liberadas pela assessoria de imprensa da prefeitura. Apesar do belo público presente e do 'empurrão' dado à construção do nome do gestor e candidato Alexandre, o ato teve pouca repercursão no pós evento. Aparentemente, alguma coisa está faltando à pré-campanha do candidato escolhido pelo Palácio. Pode ser apenas questão de estilo do próprio, mais contido e legalista que seus antecessores. Alexandre parecer ser do tipo que respeita a hora.

Pacto de mediocridade

Os pré-candidatos Fernando Haddad (PT) e Gabriel Chalita (PMDB) selaram um pacto de não agressão e de união num eventual segundo turno com José Serra (PSDB) na eleição paulistana. O petista afirmou ontem que os dois unirão forças contra o tucano, seja quem for para a etapa final da eleição. "Se isso acontecer, se um de nós for para o segundo turno, contará com o apoio do outro", disse, na primeira declaração pública sobre o acordo. "Mas espero que nós dois possamos disputar o segundo turno, quem sabe..." Há cerca de duas semanas, o ex-ministro da Educação foi recebido em jantar no apartamento de Chalita em Higienópolis (região central de SP), como noticiou ontem a coluna "Mônica Bergamo".


O pré-candidato do PT disse que os dois mantêm "uma relação de respeito e amizade" e não precisariam fazer acordo para evitar agressões. "Não se espera outra coisa entre nós. No que nos diz respeito, isso está implícito desde sempre", afirmou. Chalita confirmou o pacto e fez elogios a Haddad. "Foi um jantar de amizade e de elegância. Queremos manter uma relação harmoniosa na campanha", disse. "Nossos partidos são aliados no governo Dilma. Todo o cuidado para evitar brigas entre PT e PMDB na eleição de São Paulo é fundamental." (Folha de São Paulo)

terça-feira, 27 de março de 2012

Olhem só para isto. Ainda não tenho o conteúdo (real) do encontro. Só acredito no que Jarbas disser.


Oficialmente, a pauta é para tratar de recursos para Pernambuco. Eduardo vai pedir o apoio do senador no sentido de agilizar a aprovação de projeto que visa à liberação do empréstimo de US$ 500 milhões concedido pelo Banco Mundial ao Estado.
Jarbas disse, entretanto, que a pauta ficará aberta e admite conversar sobre qualquer assunto com o governador.

Na política está assim. Restam as risadas abundantes.

Lula lá e a queixa de petistas

Petistas pedirão
‘Volta, Lula’ no
final deste ano

Petistas ligados à facção Construindo um Novo Brasil (CNB), que é majoritária no Partido dos Trabalhadores, planejam lançar logo após as eleições municipais de outubro o movimento ‘Volta, Lula’, cujo objetivo é construir a candidatura do ex-presidente a um terceiro mandato. O movimento será lançado somente no final do ano para não atrapalhar as eleições municipais, nem o tratamento de Lula contra o câncer.

(De CH)

Jeeparada cortando as estradas de Araripina

De presidenciável à descartável.

Em 7 de dezembro passado, o DEM, ainda em estertores, lançava Demóstenes Torres como pré-candidato à presidência da República em 2014. "Claro que em 2014 há uma boa expectativa de que o DEM lance candidato nacionalmente. Só me resta trabalhar, trabalhar e trabalhar", dizia o senador desistindo do pequeno cargo de prefeito de Goiânia para permanecer em Brasília. Nas internas, o DEM já cogita da sua expulsão, se a PGR abrir inquérito contra o senador. O DEM já cobrou uma posição de Roberto Gurgel: "Se o procurador pedir a abertura de inquérito é ruim", disse o presidente do DEM, senador José Agripino (RN): "Mas é preciso dar direito de defesa ao Demóstenes".

segunda-feira, 26 de março de 2012

Se o Ministro da Educação demorou 12 anos para concluir o doutorado , não espanta que indique um diretor que depois de 21 anos ainda não concluiu a graduação.

Leiam esta incrível história....

O “professor” Irailton Lima de Sousa, diretor-presidente do Instituto de Desenvolvimento da Educação Profissional Dom Moacyr, do Acre, anunciou que vai assumir a Diretoria de Integração das Redes de Educação Profissional e Tecnológica do Ministério da Educação. Militante do PT e ex-candidato a vereador em Rio Branco, Irailton Sousa foi indicado para o cargo com aval do ex-governador do Acre, Binho Marques (PT), que atualmente é o titular da Secretaria de Articulação com os Sistemas de Ensino do MEC, além do aval do atual governador Tião Viana (PT). Porém, Irailton Sousa, enfrenta dificuldade para apresentar o diploma de graduação em Ciências Sociais pela Ufac (Universidade Federal do Acre), exigido pelo MEC. Segundo a coordenação do curso de bacharelado em Ciências Sociais, Sousa iniciou o curso, pela primeira vez, em 1991. - Os cargos no Ministério da Educação são de livre provimento. São cargos políticos. Não existe uma exigência legal para que tenha a formação - argumenta Sousa.

A íntegra está aqui, no Blog da Amazônia.

A volta de Lula


Lula gravou um vídeo, na última sexta-feira, em homenagem aos 90 anos do PCdoB. A respiração ofegante denota um grande esforço, mas a voz está clara.

Bringel e Zé Bolacha vão ao encontro de Sérgio Guerra

O suplente de deputado Bringel e o vereador Zé Bolacha embarcaram a pouco para a capital do Estado. Na pauta, uma reunião definitiva com o deputado e presidente nacional do PSDB,´Sério Guerra.
Bringel já está fechadíssimo com a eleição de Alexandre Arraes. Zé Bolacha ainda não sabe o que fará na campanha. Deixou claro que pode voltar com qualquer solução para seu futuro político: não ser candidato a nada, ser candidato a vereador e até mesmo candidato a prefeito. Como não tem controle do diretório municipal para entrar na disputa majoritária, restam as duas primeiras alternativas.
Sempre muito religioso, o presidente da câmara disse que deixará nas mãos de Deus a decisão.

Bringel já pensa de forma prática
Enquanto Zé Bolacha conversa com as bases, com a cúpula nacional e com Deus, Bringel já está tentando a melhor alternativa para inserir o PSDB na disputa por vagas na câmara municipal. Os tucanos municipais têm dois candidatos com densidade alta e cerca de dez candidatos com densidade média e baixa. O ex-prefeito foi visto em conversa política com o presidente do PMDB local, Ronaldo Lacerda, a quem aparentemente convidava para uma coligação com os tucanos e mais duas siglas pequenas.
O PMDB já está fechado com o PSL para lançar uma chapinha visando a eleição de 4 a 5 vereadores.

E continua solto e não internado

Amigo da Onça: Aécio fecha com o PSB em Belo Horizonte e PSB faz charme com Serra em São Paulo.

Em Belo Horizonte, o PSDB dará apoio ao PSB e o PT indicará o vice. Enquanto isso, em São Paulo, o PSB diz que não apoiará José Serra. É hora de Aécio Neves provar que é um homem de partido e avisar ao PSB que, sem São Paulo, não há Belo Horizonte. Como diz o velho ditado: espere esse trem sentado.

Em encontro que durou cerca de 3 horas com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o presidente nacional do PSB, Eduardo Campos (PE), sinalizou que não vai apoiar o candidato do PSDB em São Paulo,José Serra. Participaram da reunião o presidente nacional do PT, deputado estadual Rui Falcão,e o prefeito de SãoBernardo do Campo, Luiz Marinho. Campos ainda avisou aos petistas que seu partido só decidirá se vai apoiar o pré- candidato Fernando Haddad na capital em junho.

Falcão saiu do encontro, que aconteceu no apartamento do ex-presidente, em São Bernardo, dizendo-se otimista e convicto de que o PSB não deve apoiar o tucano. “Acho que não há esse risco”, afirmou. Campos chegou por volta das 20h15 ao apartamento de Lula, onde os petistas o aguardavam para a reunião. Segundo Marinho, o único acordo fechado na noite é de que o PSB vai apoiar o PT nos municípios do ABC paulista. Já as negociações para um apoio ao pré-candidato do PSB em Campinas, Jonas Donizetti, ainda não progrediram. “Nem houve avanço,nem houve retrocesso”, disse Falcão. Segundo o líder nacional do PT, Campos concordou em fechar um calendário de negociações entre os dois partidos. Falcão ressaltou que, na conversa, eles insistiram para que as duas siglas caminhem juntas dentro do projeto nacional do qual fazem parte. “Dissemos que temos um projeto nacional e que queremos mantê-lo. Independente de disputas locais, queremos manter este projeto”, insistiu Falcão.

Otimistas com a conversa com Campos, os petistas saíram do encontro seguros de que as duas legendas têm chances de chegar a um acordo. “Ele vai levar em conta por que sabe qual a importância do Haddad em São Paulo”, afirmou Falcão. O movimento mostra que Lula assumiu as articulações políticas pelas eleições de 2012, especialmente em São Paulo. A estratégia do ex-presidente é costurar o apoio do PSB à candidatura de Haddad vinculando-o a acertos com o PSB em outras capitais e municípios do País.Um dos pedidos de Lula a Campos é que o PSB apoie também a candidatura de Maurício Rands (PT) em Pernambuco.Em troca,os petistas terão que dar apoios ao PSB em vários outros municípios. (Estadão)

Serra já começa a negociar o vice. Se a história se repetir, nome sairá no último minuto.

Agora pré-candidato oficial do PSDB à Prefeitura de São Paulo, José Serra afirma que, se eleito, vai buscar parceria com a presidente Dilma Rousseff para combater o crack na cidade. Apesar do aceno ao PT no plano federal, o tucano critica duramente a gestão da ex-prefeita petista Marta Suplicy, a quem derrotou em 2004. Em entrevista, Serra afirma que a população de São Paulo compreendeu sua decisão de deixar a prefeitura em 2006 -apesar de ter assinado termo em sabatina da Folha, em 2004, dizendo que cumpriria todo o mandato. "Os adversários já tentaram explorar isso duas vezes [2006 e 2010] e não tiveram êxito", afirma Serra. Diz, ainda, encarar essa eleição como uma missão. "E como diz o filme, missão dada é missão cumprida." Leia abaixo trechos da entrevista concedida (para a Folha de São Paulo) por e-mail na sexta-feira e no sábado.

Vice
A experiência federal indica que aliança pautada só no imediatismo ameaça paralisar o governo. E estou certo de que o PSD e o DEM [que reivindicam a vaga] querem o melhor para a cidade. Não será difícil escolher, ouvindo todos, um vice à altura de São Paulo, independentemente do partido a que pertença. 

Abandono da prefeitura
Os adversários já tentaram explorar isso duas vezes e não tiveram êxito. Agora seguem com a pauta pela terceira vez. A votação que eu tive na cidade como candidato a governador em 2006, superior à que tive como prefeito no primeiro turno, indica que a população compreendeu a minha decisão. Em 2010, ganhei em São Paulo nos dois turnos. Se quiserem explorar o assunto de novo, que explorem. O eleitorado de São Paulo não se deixa enganar. 

Legado
Há uma lista telefônica de boas iniciativas. Algumas começaram comigo e continuaram com Gilberto Kassab. Houve avanços em áreas como saúde, urbanização de favelas, metrô e ambiente. O PT tinha as famigeradas escolas de lata. Acabamos com elas. Eu comecei, Kassab terminou. 

Transporte
O PT fez corredores às pressas no último ano de prefeitura para usar como propaganda na campanha. Quando assumi, tinha corredor com defeito ou incompleto. E tinha corredor que nem corredor era, cheio de cruzamentos e sem área de ultrapassagem. Vamos colocar as coisas em seus termos. A cidade tem que ter mais metrô e com mais frequência para reduzir a superlotação. Tem que fazer corredores corretamente. E precisa redesenhar todo o sistema, pois em muitos corredores, como o de Santo Amaro, há horários em que tem tanto ônibus que se forma uma fila imóvel. Não há solução fácil. 

Cracolândia
Esse é um problema nacional que começa com o controle de fronteiras, pois o Brasil não planta coca. O governo federal, que tira muito dinheiro da cidade e devolve pouco, tem de aportar recursos. Vou colocar toda a minha energia para juntar a prefeitura, o Alckmin e a Dilma para oferecer condições de o dependente se tratar. 

Erros
Só não erra quem não faz. Mas tenho certeza de que quando errei, errei de boa-fé, querendo acertar. Deixa os adversários apontarem o que eles acham que foram meus erros. É o que eles farão, não é?

'Missão cumprida'
Sou intenso em tudo o que faço. Minha trajetória é reflexo disso. Tenho orgulho em ter servido meu país, meu Estado e a cidade onde nasci nos cargos pelos quais passei. Fazer a melhor gestão da minha vida e a melhor que São Paulo já teve é uma missão. E, pra mim, como diz o filme, "missão dada é missão cumprida".

Ataque certeiro: Oposição expõe o cáos do trânsito na capital


O pré-candidato a prefeito pelo PMDB em Recife, Raul Henry, é curto e grosso na inserção acima. Quem precisa ir à capital sabe que o problema é daí para pior. O tempo foi curto para Raul dizer que as chuvas e o tempo de espera causam transtorno e até doenças em quem precisa esperar pelo sistema público que não funciona, em pontos de ônibus que sequer comportam sentados os deficientes e idosos.
Tudo precisa ser feito como se partisse do zero na linda Recife. Lá, o sistema de transporte foi pensado para quem tem carro. Foi, pois não é mais. Com tantos rios e pontes, e com tantas barreiras físicas, a enorme frota de veículos que cai dentro da nossa capital simplesmente estrangulou o sistema. Nada funciona. E nada é feito. É preciso pensar de forma oposta às montadoras e aos padrões e sonhos de consumo. Do contrário, só mudando de cidade.

domingo, 25 de março de 2012

O avanço dos novatos

A vontade de eleger vereadores novos, com novas ideias e sobretudo com bons projetos, está presente em quase 80% dos araripinenses. Desta vez, a injeção de gente nova na câmara será de grandes proporções: além das peças que geralmente são repostas, cinco novas vagas estão em disputa. De 10, a câmara passou para 15 vagas.
O PSL presidido pelo competente Idelfonso do Mel e o PMDB presidido pelo comerciante Ronaldo Lacerda estão com aliança firmada e lutarão para eleger 3 ou 4 vereadores através de uma bela chapinha.

Três pra cá, dois pra lá

Dos políticos filiados ao partido do ex-prefeito Valdeir Batista, grande parte está no palanque de Alexandre Arraes. É o caso do próprio cunhado Sebastião da Comal e do sobrinho Valmir Bezerra. Entre os não parentes, encontram-se no palanque 'alexandrino' o ex-vereador Zé Batista da Rancharia e Manuel de Oliveira (que é candidato a vereador). Tico de Roberto tem um filho filiado ao PSB e Paulo de Zé de Senhor resiste visitando as bases e sentindo o 'calor' do senadinho.
O anúncio da inauguração da sede da Autarquia de Trânsito, presidida por Sebastião da Comal, é um indicativo de que Valdeir Batista tem lado nesta disputa. Pelo visto, só Paulo Gonçalves (de Senhor) Arraes, parente de Alexandre, ainda não tem. Até quando? Esta é a pergunta no senadinho.

Mais uma vez Bringel diz que apoia Alexandre

Virou missão de Bringel repetir a mesma frase, para ver se cessam os rumores espalhados por adversários. Ontem não foi diferente na inauguração do NASF: 'Como já disse várias vezes, volto a dizer que tenho compromisso com a candidatura de Alexandre, que está realizando uma grande administração', repetiu o suplente de deputado.  Quem não compareceu ontem ao NASF foi Zé Bolacha. As informações que circulam é que ele desistiu de política e que não tem interesse em lançar ninguém de casa. Ele e Bringel se encontrarão com Sérgio Guerra no início desta semana.

Confiança é tudo

Quando um político constrói sua biografia baseada na verdade e honrando os compromissos assumidos, até uma mentira que conta ganha ares de grande verdade. Mas, do contrário, quando a vida do sujeito é sempre questionada, uma vez na política, precisa se cercar de cuidados para não descumprir promessas feitas nem contar conversas parecidas com mentira.  Menos ainda descumprir a mesma promessa seguidas vezes. Isso joga cimento na imagem mal difundida de modo que gera desconfiança coletiva e discursos de desconfiança por toda parte.  Vale para qualquer pessoa.

Arrependimento

Ontem, um importante líder político araripinense lamentava o espaço que abriu na política local para um vaidosos aliado, que hoje usa o poder que imagina ter para divagar sobre o nada e exigir quase tudo a que não tem direito.  Um sem nõção, resumindo.

Imagem ameaçada

O pequeno pode mais

Ministro amigo de Dilma não se importa que ela grite com assessores. O maior medo dele é que um servidor humilde (manicure, garçom etc)  grave no celular uma das broncas humilhantes que levam da presidenta. “Seria devastador, acabaria com a imagem dela”, aposta.
(De CH)

sábado, 24 de março de 2012

Trânsito de Araripina ficará a cargo de Sebastião da Comal

O prefeito Alexandre Arraes entregou ao cunhado do ex-prefeito Valdeir Batista, Sebastião da Comal, a presidência da Autarquia de Transporte e Trânsito de Araripina - ATTA. Caberá ao homem forte do governo Valdeir Batista a missão de ordenar o trânsito do município. Na próxima terça-feira a sede da empresa será inaugurada, em solenidade agendada e anunciada pelo cerimonial da prefeitura.
Espera-se uma melhora no sufocante trânsito da sede, a partir de agora. Espera-se, mais do que isso, que a ATTA seja um órgão disciplinador e orientador, antes que se transforme numa fábrica de multas.
É preciso que se tenha em mente que uma população que nunca conviveu com ordem no trânsito precisa, antes de multa, de orientação e normas claras. E, sobretudo, de lugares para trafegar com razoável fluidez, além de lugar para estacionar nas ruas centrais da cidade, o que hoje não existe suficientemente.


Placa vermelha para moto-taxi
Na inauguração do Núcleo de Apoio à Saúde da Família, o prefeito Alexandre Arraes anunciou a conquista de plancas vermelhas para os motos de aluguel. Com isto, os moto-taxistas poderão receber abatimento no preço das motos, além de garantias sociais de uma categoria reconhecida.

Pelo novo rito, Medida Provisória não vigora antes de dois meses, em média.


O Senado Federal e a Câmara dos Deputados se preparam para instalar, na próxima segunda-feira (26), a primeira comissão mista para análise de medidas provisórias após decisão nesse sentido do Supremo Tribunal Federal (STF). O processo foi desencadeado com a edição da MP 562/12 pela presidente Dilma Rousseff, publicada na última quarta-feira (21), e que, entre outras medidas na área de educação, destina recursos do Fundeb (Fundo de Desenvolvimento da Educação Básica) para instituições comunitárias que atuam na educação rural.

Calendário de tramitação da MP 562/12:
  • Instalação da comissão mista: 24 horas após a designação de sua composição;
  • Emendas: até 27 de março;
  • Prazo para análise da Câmara: até 17 de abril de 2012;
  • Recebimento previsto no Senado: 17 de abril de 2012;
  • Prazo para análise no Senado: de 18 de abril a 1º de maio;
  • Data para o Senado devolver a MP emendada à Câmara: dia 1º de maio;
  • Prazo para revisão das emendas pela Câmara: de 2 a 4 de maio;
  • Regime de urgência com obstrução da pauta de votações: a partir do dia 5 maio (46º dia de tramitação da MP 562/12);
  • Prazo final para votação pelo Congresso: 19 de maio.
A democracia, sem dúvida alguma, ficou bem melhor no Brasil. E os senhores parlamentares vão ter que trabalhar mais, o que é ótimo para o país. Leia mais aqui. 

Guru dos trânsfugas: Guerra rifa a única voz autêntica de seu partido e declara apoio ao inimigo em Olinda.

sergio_guerra_foto_roosewelt_pinheiro_ABr Terezinha Nunes, a mais combativa deputada da legislatura passada, pagou o preço da autenticidade
O deputado Sérgio Guerra, presidente nacional do PSDB, anuncia nesta sexta-feira o apoio do seu partido à reeleição de Renildo Calheiros (PCdoB) à prefeitura de Olinda.
Isso deve ser encarado com naturalidade, disse ele, porque o PCdoB apoiará a reeleição de Elias Gomes (PSDB) em Jaboatão dos Guararapes.
Quem não ficou nada satisfeito com o ex-vice de Olinda, Arlindo Siqueira (PSL). Ele se considera “enganado” pelo deputado porque esteve com ele no final de semana e recebeu a garantia de que “nada estava resolvido” e que só anunciaria o caminho do PSDB após conversar com as oposições.

sexta-feira, 23 de março de 2012

ELEIÇÕES 2012: Candidatos a vereador de olho nos prazos para se afastar do emprego


A eleição se aproxima e a cada dia diminuiu o prazo de desincompatibilização para aqueles que pretendem buscar uma vaga no legislativo (vereador). Buscando deixar candidatos e eleitores antenados sobre aspectos da lei eleitoral, o BLOG vai publicar periodicamente informações sobre o assunto. Nosso primeiro enfoque alerta candidatos a vereador sobre prazos de desincompatibilização, antes da eleição marcada para 7 de outubro. Confira:



VEREADOR

03 MESES
Servidores públicos, estatutários ou não, dos órgãos da administração direta ou indireta; Agente comunitário de saúde, Agente de polícia, Empregado de empresa pública, Empregado de sociedade de economia mista, Escrivão de Delegacia de Polícia, Servidor de escola pública, Servidor do Poder Legislativo, Servidores em geral, Titular de Cartório, Servidores públicos ocupantes de cargos em comissão - Membro de direção escolar, Membro de conselho tutelar; Ocupante de cargo em comissão por tempo certo não demissível ad nutum, Servidor público ocupante de cargo em comissão.

04 MESES
Dirigente sindical, Dirigente, administrador ou representante Entidades de classe em geral , Dirigente, administrador ou representante da OAB .

06 MESES
Advogado geral da União; Presidente, diretor, superintendente e dirigente de Autarquia; Autoridade policial, civil ou militar, Sub delegados de polícia; Prefeito,  Defensor Público, Dirigentes de cooperativas e estabelecimentos que gozem de vantagens asseguradas pelo poder público; Presidente, diretor, superintendente e dirigente de empresa pública; Presidente de Conselho de Fundo Municipal de Previdência dos Servidores Públicos ; Dirigente, administrador ou representante de Entidades mantidas pelo Poder Público; Dirigente de Fundações públicas em geral,  Magistrado, Membros em geral do Ministério Público, Dirigente de órgão estadual,  Reitor de universidade pública, federal ou estadual, de natureza autárquica ou fundacional, Secretários municipais ou membros de órgãos congêneres , Delegado de polícia, Servidores púbicos ocupantes de cargos efetivos ou em comissão relativos a arrecadação e fiscalização de impostos, taxas e contribuições – efetivos e comissionados, Dirigente de Sociedade de assistência a municípios, Dirigente de Sociedade de economia mista, Vice-prefeito que sucedeu o titular.

Consulte também o Site do TSE aqui
Mais detalhado aqui

Ou consulte aqui:

Argentina temeu ambição nuclear no governo Lula, revela Wikileaks

Obras da Usina de Angra 3 Foto: Arquivo / O Globo

Estadão.com.br
A Argentina temeu que as ambições internacionais do governo Lula levassem o Brasil a rever seus compromissos na área de proliferação nuclear – caminhando perigosamente em direção à bomba atômica.
Em uma conversa reservada com diplomatas americanos no Natal de 2009, funcionários argentinos disseram que “luzes amarelas” acenderam em Buenos Aires diante da aproximação do Brasil com o Irã de Mahmoud Ahmadinejad e da abertura de uma embaixada brasileira na Coreia do Norte.
O telegrama diplomático comenta ainda que o governo argentino chegou a preparar resposta para a eventualidade de o Brasil construir uma arma nuclear, mas viu com alívio a eleição de Dilma em 2011, “por acreditarem que nenhum sucessor tentaria sustentar a arriscada política externa de Lula”.
O relato completo do encontro está entre as centenas de despachos da Embaixada dos EUA em Buenos Aires revelados pelo WikiLeaks.
O telegrama foi traduzido para o português.
Leia mais em Argentina temeu ambição nuclear no governo Lula, revela Wikileaks

Transposição: Sem água e com ágio

Vencido o prazo original em que a transposição do Rio São Francisco deveria estar pronta e funcionando no semiárido nordestino, a obra registrou aumento de R$ 3,4 bilhões - ou 71% - em seus custos em relação à previsão inicial, segundo a mais recente estimativa feita pelo Ministério da Integração Nacional. Desde o início do governo Dilma Rousseff, o custo total da obra pulou de R$ 4,8 bilhões para R$ 8,2 bilhões. O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva previa inaugurar a obra em 2010.

Isso significa que, se a transposição fosse uma aplicação financeira, teria rendido 65% acima da inflação do período. Para essa comparação, o Estado usou a variação de preços medida pelo IPCA, índice usado no regime de metas de inflação do governo. A alta foi de 8,2% entre dezembro de 2010 e março de 2012.A construção de cerca de 600 quilômetros de canais de concreto que desviarão parte das águas do rio ainda deve consumir mais 45 meses. O preço aumentou com a renegociação dos contratos originais e o lançamento programado de mais de R$ 2,6 bilhões em novas licitações. Leia mais aqui.

Senadores não querem interferir nas masmorras cubanas onde presos de consciência morrem de fome. Mas querem soltar os terroristas de Guantânamo.

Alguém ouviu falar de que esposas de presos políticos estejam sendo espancadas todos os domingos em Washington como ocorre com as Damas de Blanco em Havana? Alguém ouviu falar que presos políticos morram em greve de fome em presídios americanos como morrem nas masmorras cubanas? Alguém ouviu falar que os americanos estejam proibidos de sair do país pelos militares como acontece com os cubanos? Ontem a Comissão de Relações Exteriores do Senado do Brasil aprovou uma resolução pedindo que os Estados Unidos da América suspendam o embargo econômico contra Cuba, que fechem as portas de Guantânamo e que liberem cinco terroristas cubanos presos naquele país. E rejeitaram uma resolução que pedia que Cuba libertasse centenas de presos políticos e permitisse que os seus cidadãos pudessem entrar e sair livremente do seu próprio país. É compreensível que os senadores brasileiros tenham agido assim. Os Estados Unidos da América, por serem uma democracia, aceitam com naturalidade todas as críticas.Podem fazer resoluções à vontade, pois aquele é um país livre. Já Cuba, que é uma ditadura assassina e sanguinária, mantida em cima da diáspora de milhões de cubanos e de dinheiro a fundo perdido repassado pelo Brasil, poderia considerar tal pleito uma ofensa, como definiu Fernando Collor de Mello, senador alagoano e ex-presidente impichado, que preside a Comissão. Leia mais aqui.  

( Conforme está na notícia lincada, apenas três senadores aprovaram a moção referente à Cuba, enquanto outros dez votaram contra. Alguém que tenha acesso ao resultado, poderia fazer o favor de publicar na área de comentários o nome dos que derrotaram a resolução?)

Corrupção na cabeça, invertido e de primeiro ao quinto.

Gravações da Polícia Federal revelam que o senador Demóstenes Torres (GO), líder do DEM no Senado, pediu dinheiro e vazou informações de reuniões oficiais a Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira, acusado de chefiar a exploração ilegal de jogos em Goiás. Relatório com as gravações e outros graves indícios foi enviado à Procuradoria Geral da República em 2009, mas o chefe da instituição, Roberto Gurgel, não tomou qualquer providência para esclarecer o caso. O documento aponta ainda ligações comprometedoras entre os deputados Carlos Leréia (PSDB-GO) e João Sandes Júnior (PP-GO) com Cachoeira.

O relatório, produzido três anos antes da deflagração da Operação Monte Carlo, escancara os vínculos entre Demóstenes e Cachoeira. Numa das gravações, feitas com autorização judicial, Demóstenes pede para Cachoeira “pagar uma despesa dele com táxi-aéreo no valor de R$ 3 mil”. Em outro trecho do relatório, elaborado com base nas gravações, os investigadores informam que o senador fez “confidências” a Cachoeira sobre reuniões reservadas que teve no Executivo, no Legislativo e no Judiciário. Parlamentar influente, Demóstenes costuma participar de importantes discussões, sobretudo aquelas relacionadas a assuntos de segurança pública.

O relatório revela ainda que desde 2009 Demóstenes usava um rádio Nextel (tipo de telefone) “habilitado nos Estados Unidos” para manter conversas secretas com Cachoeira. Segundo a polícia, os contatos entre os dois eram “frequentes”. A informação reapareceu nas investigações da Monte Carlo. Para autoridades que acompanham o caso de perto, esse é mais um indicativo de que as relações do senador com Cachoeira foram mantidas, mesmo depois da primeira investigação criminal sobre o assunto. O documento expõe também a proximidade entre Cachoeira e os deputados Leréia e Sandes Júnior.

quinta-feira, 22 de março de 2012

A PEC dos Índios e mais uma derrota para Dilma

Protesto de grupos indígenas e ONGs na Câmara Foto: Agência Brasil

Evandro Eboli, O Globo
O governo saiu derrotado por sua própria base em votação no início da tarde desta quarta-feira, na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara. O PT bem que tentou protelar com obstrução, apresentação de requerimentos e pedidos de suspensão da sessão, mas, dessa vez, conseguiu.
Por 38 a 2, foi aprovada a admissibilidade de uma Proposta de Emenda Constitucional (PEC) que determina que passe pelo Congresso Nacional a demarcação de terras indígenas, o reconhecimento de terras quilombolas e a definição de áreas de preservação ambiental.
Agora, será criada uma comissão especial que vai discutir a proposta e votar seu relatório. Somente depois irá a Plenário. Mas até lá, o PT promete continuar obstruindo. Mais cedo o secretário geral da Presidência, ministro Gilberto Carvalho, chegou a dizer que a crise com a base estava superada.
Alessandro Molon (PT-RJ) anunciou, no final, que o partido irá recorrer na Casa mas que pode até ir ao Supremo Tribunal Federal (STF) para que seja declarada a inconstitucionalidade da matéria. A sessão durou cerca de três horas e, no final, foi marcada pelo tumulto.
Grupos indígenas do Pará e de Minas Gerais, pintados e com cocares, apoiados por dirigentes de ONGs, protestaram o tempo inteiro e, no momento da votação do mérito, intensificaram o barulho. Após a votação, houve tumulto e início de briga entre seguranças e indígenas, que, com intervenção de deputados, conseguiram atravessar toda a Câmara. Eles dançavam e gritavam palavras de ordem contra a PEC.
Leia mais em Aliados derrotam governo na Câmara e aprovam PEC dos Índios 

Netinho encurralado

MP investigará repasses do governo de Minas para rádio de Aécio Neves


Foto: O Globo

Marcelo Portela, Estadão.com.br
O Ministério Público Estadual (MPE) de Minas Gerais instaurou inquérito civil para investigar repasses feitos pelo governo do Estado à Rádio Arco-Íris entre 2003 e 2010, época em que o tucano comandou o Executivo mineiro.
Além de Aécio, também consta no inquérito civil MPMG-0024.12.001113-5, o nome de sua irmã, Andrea Neves, atual presidente do Serviço Voluntário de Assistência Social (Servas) e coordenadora do Núcleo Gestor de Comunicação Social do governo, responsável pelo controle do gasto com comunicação, inclusive a publicidade oficial, durante a gestão do irmão.
A propriedade da rádio por parte de Aécio e Andrea veio a público em abril do ano passado, quando o senador teve a carteira de habilitação - vencida - apreendida e foi multado em R$ 1.149,24 após se recusar a fazer o teste do bafômetro ao ser parado em uma blitz da Lei Seca no Rio de Janeiro. Ele dirigia o Land Rover placas HMA-1003, comprado em novembro de 2010 em nome da emissora, que detém uma franquia da Rádio Jovem Pan FM em Belo Horizonte.
Na ocasião, o governo confirmou que havia feito repasses à emissora em 2010, mas afirmou que os pagamentos foram legítimos. O caso levou a oposição ao Executivo tucano na Assembleia Legislativa de Minas a tentar, sem sucesso, criar uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI).
Agora, a Promotoria de Defesa do Patrimônio Público do MPE vai apurar se foram repassadas verbas públicas á rádio também nos outros anos em que Aécio esteve à frente do governo e os critérios usados para a liberação dos recursos. O inquérito foi instaurado na sexta-feira, 16, após o órgão receber, em fevereiro, nova representação contra Aécio e Andrea.
Leia mais em MP investigará repasses do governo de Minas para rádio de Aécio Neves 

Ela vai continuar brigando com a base

Pesquisas indicam que popularidade de Dilma aumentou


 Foto: Carlos Magno /  O Globo 

Gerson Camarotti, O Globo
Dados de recentes pesquisas de opinião que chegaram ao Palácio do Planalto indicam que a presidente Dilma Rousseff não só tem conseguido manter sua popularidade, como teria aumentado a aprovação popular.
Analistas do governo veem esse resultado como aprovação ao enfrentamento que Dilma vem travando com aliados contra o chamado toma lá dá cá.
Em dezembro, a avaliação do governo Dilma de 56% de ótimo/bom já era recorde na série histórica da pesquisa do Ibope feita para a Confederação Nacional da Indústria para o primeiro ano de mandato presidencial.
A próxima pesquisa da entidade será divulgada em abril. Outras pesquisas regionais encomendadas por partidos reforçam a percepção de que Dilma tem conseguido mais apoio da opinião pública.
Esse crescimento teria ocorrido entre eleitores da classe média. Os dados reservados reforçam a decisão de não aceitar pressão da base governista, mas não significa que ela romperá com tradicionais aliados. Por enquanto, a estratégia é só mudar a relação com o Congresso.
O ex-presidente Lula, embora tenha manifestado preocupação com o enfrentamento, estaria, na avaliação do Planalto, emitindo sinais de concordância com a nova linha adotada por Dilma.
Esse interlocutor de Dilma revelou que Lula cancelou um encontro com o ex-presidente Fernando Collor, um dia após o senador alagoano ter feito um discurso em que advertiu Dilma sobre o risco de governabilidade, citando seu impeachment. Lula quis não emitir sinais duplos.
Também não tirou fotos ao lado do presidente do Senado, José Sarney (PMDB-MA), mas o fez ao lado do novo líder do governo, senador Eduardo Braga (PMDB-AM), escolhido por Dilma, e até ex-senadora Marina Silva (ex-PT-AC).
Leia mais em Pesquisas indicam que popularidade de Dilma aumentou

Fica curado logo, Lula!

Candido Vaccarezza (PT-SP), líder do governo na Câmara dos Deputados até a semana passada, deve estar rindo à toa.
Dilma o substituiu por Arlindo Chinaglia (PT-SP), ex-presidente da Câmara.
Vaccarezza era acusado de conversar demais com o PMDB, negociar demais com o PMDB, e votar de menos.
Marco Maia (PT-RS), presidente da Câmara, resolveu pôr, ontem, em votação a Lei Geral da Copa. Com o apoio de Chinaglia.
Resultado: o governo perdeu. Faltaram votos para aprovar a lei. A votação foi adiada.
O governo também foi derrotado na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara.
Ali foi aprovada a admissibilidade de uma Proposta de Emenda Constitucional (PEC) que determina que passe pelo Congresso a demarcação de terras indígenas, o reconhecimento de terras quilombolas e a definição de áreas de preservação ambiental.
Dilma pensa que conseguirá tudo o que quer no Congresso batendo com o pé no chão. Ou gritando com todo mundo. Ou ameaçando todo mundo.
Ulysses Guimarães, presidente do PMDB na época da ditatura de 64 e, depois, condestável da chamada Nova República, ensinou: "Política é muita saliva". E exige três coisas: paciência, paciência e paciência.
Dilma não é do ramo.
Lula, que é, recupera-se de um câncer na laringe.
Se não voltar logo a aconselhar Dilma será um desastre atrás do outro.

Vários Canais do Sertão enterrados em estádios. E o Araripe na seca e no atraso, quando deveria está todo irrigado e rico.

Estádio de Brasília
custará mais
que o Maracanã

O Estádio Nacional Mané Garrincha, a ser inaugurado em dezembro, terá custo superior à reforma (quase reconstrução) do Maracanã, considerado um dos maiores do mundo. A estimativa é do Tribunal de Contas da União. Inicialmente o estádio de Brasília custaria R$ 700 milhões, mas vai aos R$ 870 milhões, e, segundo o TCU, passará de R$ 1 bilhão com a iluminação e a cobertura em aço e lona tensionada.

Latifúndios improdutivos indígenas

Os indígenas são os maiores latifundiários brasileiros. Representam 0,42% da população e possuem 13% de todo o território nacional. E queriam mais e mais e mais. Ontem a Comissão de Constituição e Justiça da Câmara deu um basta nesta desigualdade e neste privilégio, impedindo que o Executivo crie novos latifúndios improdutivos no país. E o pior: que sejam, posteriormente, vendidos para empresas estrangeiras, como recentemente denunciado. A Comissão aprovou uma proposta de emenda constitucional tirando poderes do presidente da República para demarcar terras indígenas, áreas de preservação ambiental e regiões de quilombolas.

Pelo projeto, o Executivo não poderá mais fazer demarcações das terras. Essa decisão ficará por conta dos parlamentares por meio de projeto de lei, aprovado por maioria simples. Depois da CCJ, a proposta de emenda constitucional seguirá para votação em comissão especial e no plenário. "Todos os Estados têm problemas com questões indígenas. Queremos discutir isso com a sociedade. A Funai exagerou na proposta de novas terras para demarcação", argumentou o deputado Moreira Mendes (PSD-RO), presidente da Frente Parlamentar da Agropecuária. (Com informações do Estadão)

Base de geleia

No pior dia até agora da atual crise com sua base parlamentar, a presidente Dilma Rousseff sofreu ontem uma série de derrotas na Câmara, teve ministros chamados a se explicar no Congresso e autorizou ataques diretos a deputados aliados. A relação de Dilma com o Congresso nunca foi tranquila, mas a insatisfação dos parlamentares com o Planalto tornou-se pública -e transformou-se em crise- com a rejeição, no início do mês, do indicado da presidente para uma agência reguladora. O Planalto decidiu então trocar seus líderes no Congresso, o que acentuou a crise. A afirmação do novo líder no Senado, Eduardo Braga (PMDB), de que "chegou o momento de novas práticas", ajudou a piorar o clima. 

O maior revés ontem foi o adiamento da votação da Lei Geral da Copa. Maior aliado, o PMDB liderou a rebelião. A votação não ocorreu porque a bancada ruralista, que reúne 230 de 513 deputados de todos os partidos, exige que o Código Florestal entre em pauta antes da Lei Geral. Deputados descontentes e parte das bancadas da saúde e dos evangélicos -que não querem álcool nos estádios- se aliaram aos ruralistas.Diante da resistência, o Planalto instruiu seus líderes a atacar os dissidentes. "Não vamos entrar nesse engodo, nessa chantagem que às vezes predadores da agricultura tentam impor ao governo", disse o líder do PT, Jilmar Tatto (SP). Foi vaiado. 

O deputado Ronaldo Caiado (DEM-GO), ruralista, rebateu: "A chantagem é do governo! Essa declaração intensifica, incendeia a crise". A Câmara chegou a iniciar a votação da Lei Geral da Copa, mas ela foi logo suspensa e adiada com o apoio da maioria dos partidos. O novo líder do governo na Câmara, Arlindo Chinaglia (PT), disse que Dilma dificilmente aceitará votar o Código antes da lei da Copa. O Planalto teme ser derrotado no Código Florestal, o que provocaria desgaste para o governo na conferência ambiental Rio+20, em junho. Antes das derrotas, o ministro Gilberto Carvalho (Secretaria-Geral) chegou a dizer que a crise estava superada. "Está tudo ótimo." Logo depois, porém, veio o primeiro sinal contrário. Contrariando orientação do Planalto, a bancada ruralista aprovou na Comissão de Constituição e Justiça da Câmara texto que transfere a competência sobre a demarcação de terras indígenas da União para o Congresso -o projeto ainda precisa passar por comissão especial e pelo plenário, em dois turnos.

Ao mesmo tempo, outra comissão, a de Trabalho, aprovava por 11 a 9 a convocação da ministra Miriam Belchior (Planejamento) para falar sobre concursos públicos. Além dessa convocação, de caráter obrigatório, outra comissão, a de Fiscalização e Controle, marcou outros dois depoimentos com potencial para constranger o governo. Mas nos casos do ministro da Fazenda, Guido Mantega, e do presidente da Comissão de Ética Pública da Presidência, Sepúlveda Pertence, o governo fechou acordo para que fossem apenas convidados. O ministro deve ser questionado sobre problemas na Casa da Moeda e no Banco do Brasil. Pertence deverá falar sobre suspeitas relativas a consultorias de Fernando Pimentel (Desenvolvimento).(Folha de São Paulo)